Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Miguel Albuquerque: “Surpresas? Tive algumas. A principal foi o elevado grau de endividamento”

  • 333

OCTÁVIO PASSOS

Um ano depois de ter chegado à liderança do Governo Regional da Madeira, o sucessor de Alberto João Jardim congratula-se com as medidas que conseguiu aplicar e a redução do défice. E confessa ter sido uma “surpresa” o nível de endividamento que encontrou

Já passou um ano desde que Miguel Albuquerque sucedeu a Alberto João Jardim na liderança da Madeira. Um ano "positivo", mas também com "surpresas", conta o autarca, em entrevista ao "Público" esta quarta-feira.

"Surpresas? Tive algumas. A principal foi o elevado grau de endividamento e a necessidade de sair com sucesso do PAEF", admitiu Miguel Albuquerque, quando questionado quais foram as principais dificuldades que encontrou depois de ter tomado posse.

Entretanto, em 365 dias, o líder madeirense também se congratula por ter dado a volta a essa situação. "Fomos capazes de restaurar a credibilidade das nossas finanças públicas e hoje a região consegue financiar-se autonomamente no mercado. Conseguimos abater 863 milhões de euros à dívida direta e indireta da Madeira e com sucesso completámos o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro [PAEF] em dezembro de 2015." Por isso, diz ter merecido a confiança dos bancos, que concederam para a Madeira um financiamento de 185 milhões de euros para 2016.

Miguel Albuquerque refere que encontrou uma tarefa complicada pela frente. Após anos de "fechamento" da Madeira ao continente, o social-democrata diz ter dado "início a uma reforma do sistema político, em que rapidamente demonstrámos a nossa verdadeira disponibilidade para um escrutínio permanente da governação. Não só com a presença do presidente do Governo em debates mensais, mas também com uma regularidade na ida de membros do Executivo a debates parlamentares e audições."

Quando questionado sobre as relações que mantém com António Costa, o governante social-democrata responde que têm sido positivas devido ao facto de o "primeiro-ministro ter chamado a si as matérias referentes às autonomias."