Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Artilheiro sensato assume chefia do Exército

Rovisco Duarte (ao centro na imagem) assiste ao desfile do Batalhão Colegial na Avenida da Liberdade, no âmbito das comemorações do 211.º Aniversário do Colégio Militar, a 9 de março de 2014

DR

O tenente-general Rovisco Duarte, que esta sexta-feira toma posse como chefe do Estado-Maior do Exército, desempenhou um papel decisivo no muito criticado encerramento do Instituto de Odivelas e consequente reconversão do Colégio Militar em estabelecimento de ensino misto. Aguiar-Branco ficou tão reconhecido que decidiu atribuir-lhe uma medalha da Defesa Nacional de 1.ª classe

Carlos Abreu

Jornalista

Seis anos depois de ter assumido as funções de chefe de gabinete do principal comandante do Exército – de abril de 2010 a meados de 2011 com Pinto Ramalho, tendo sido reconduzido no cargo até novembro de 2012 pelo atual chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Pina Monteiro –, o tenente-general Frederico José Rovisco Duarte, 38 anos de serviço, 56 de idade, está de volta a um espaço que conhece bem. Foi ele o militar designado pelo Governo para assumir o cargo deixado vago pelo general Carlos Jerónimo.

Ao Expresso, Pinto Ramalho não poupou nos adjetivos para descrever o futuro CEME como competente, ponderado, sensato… “Somos ambos artilheiros [oficial habilitado com o curso de Artilharia da Academia Militar] e enquanto foi meu chefe de Gabinete sempre me apoiou com uma visão muito competente dos assuntos”, garantiu o antigo CEME.

Pinto Ramalho destacou ainda funções que assumiu posteriormente, como por exemplo, a de comandante do Comando de Instrução e Doutrina, de outubro de 2013 a julho de 2015, período durante o qual fez parte da Comissão Técnica de Acompanhamento do processo de reestruturação dos estabelecimentos militares de ensino não superior do Exército e que, grosso modo, consistiu no encerramento do Instituto de Odivelas e na reconversão do Colégio Militar numa escola mista.

Por ter revelado uma “elevada competência técnico-profissional, extraordinário empenho, enorme sentido de missão e relevantes qualidades pessoais”, o anterior ministro da Defesa, Aguiar-Branco, sobejamente criticado por esta reestruturação, concedeu a Rovisco Duarte, em outubro de 2015, uma medalha da Defesa Nacional de 1.ª classe.

Mas esta não foi a primeira vez que o futuro CEME viu ser reconhecida pelo poder político a sua longa carreira militar. Com efeito, o anterior Comandante Supremo, Cavaco Silva, fê-lo por duas vezes: em setembro de 2012 foi distinguido como Grande-Oficial da Ordem Militar de Aviz e em 10 de junho de 2015 foi-lhe atribuída uma Grã-Cruz igualmente da mesma ordem militar.

Dos 21 louvores que constam da sua folha de serviços destaca-se ainda o único que foi, até agora, subscrito, em 1999, pelo à época chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, general Espírito Santos ao então tenente-coronel Rovisco Duarte “pela forma excecionalmente profissional, competente e disponível com que ao longo de três anos, nas funções de chefe da Secção de Artilharia da Repartição de Apoios Táticos da Divisão de Operações, e em outras missões, serviu, desde a fase de ativação, o Estado-Maior da EUROFOR, em Florença, Itália”.

“Militar inteligente e de rápido e pragmático raciocínio, com virtuosos dotes e integridade de caráter, que se manifestam por uma personalidade de sólida formação ética e moral, ponderação e bom senso, granjeou alto apreço de superiores e da admiração e estima de iguais e subordinados no ambiente multinacional da EUROFOR”, pode ainda ler-se neste louvor que de forma premonitória antevia a sua aptidão “para o desempenho de funções de maior responsabilidade”.

O comunicado do Conselho de Ministros desta quinta-feira confirma, num único ponto, que o Governo irá propor ao Presidente da República a nomeação de Rovisco Duarte, atualmente inspetor-geral do Exército, para o cargo de Chefe do Estado-Maior deste ramo, “tendo sido ouvido o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas”, Pina Monteiro, e “obtido parecer favorável do Conselho Superior do Exército”.

A tomada de posse foi marcada para esta sexta-feira, pelas 16h30, no Palácio de Belém.