Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ferreira Leite: FMI percebeu que caminho seguido por Portugal não era o mais conveniente

  • 333

A economista diz que não pode de “deixar de achar graça” que o relatório do gabinete de estudos dirigido por Vítor Gaspar apresente indicações contrárias às medidas que aplicou enquanto ministro

Manuela Ferreira Leite considera que o recente relatório do FMI mostra que as instituições internacionais perceberam que o caminho traçado nos resgates económicos, como o efetuado em Portugal, “não é o mais conveniente”.

Durante a sua intervenção habitual das quintas-feiras à noite na TVI24, a economista disse não poder deixar de achar graça ao facto do relatório do gabinete de estudos dirigido por Vítor Gaspar preconizar medidas “absolutamente opostas” às políticas que implementou enquanto ministro das Finanças. Nomeadamente as indicações de que não será possível o ajustamento orçamental sem crescimento económico e que este não poderá ser atingido através do aumento de impostos.

“Na era da Troika nós estávamos a ser cobaias das instituições internacionais (…) não havia a mínima experiência como é que se fazia ajustamento económico dentro da moeda única (…) e resolveram fazer como se não houvesse moeda única”, criticou.

Comentando outro assunto da atualidade, a ex-líder do PSD criticou também o anúncio de que o fundo de estabilização financeira da Segurança Social será utilizado para a recuperação de edifícios que terão renda controlada. Um investimento considerou ser pouco rentável e como tal uma perversão da lógica do fundo. Ferreira Leite frisou que lógica do fundo, constituído com dinheiro dos contribuintes, é a de ser um “mealheiro” que permita continuar a pagar as pensões casa haja uma falha de receitas. “Não só a aplicação é errada, como se está a mexer num dinheiro cujos objetivos não são aqueles”, afirmou.