Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

João Soares e as bofetadas: “Peço desculpa se os assustei”

  • 333

Em declarações ao Expresso, o ministro da Cultura responde aos comentários de Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente, retratando-se das “salutares bofetadas” com que os ameaçou esta manhã através da sua conta do Facebook: “Sou um homem pacífico”

António Pedro Ferreira

"Sou um homem pacífico, nunca bati em ninguém. Não reagi a opiniões, reagi a insultos. Peço desculpa se os assustei." Foi desta forma que o ministro da Cultura João Soares respondeu ao Expresso, por SMS, sobre a polémica que está a marcar o dia desta quinta-feira.

Um bate-boca que ele próprio desencadeou ao escrever na sua conta do Facebook que gostaria de encontrar Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente para lhes dar "as salutares bofetadas" que mereceriam pelos artigos de opinião que escreveram no jornal "Público".

João Soares insurge-se contra um texto publicado por Augusto M. Seabra na edição online do "Público", esta quarta-feira, e termina com uma espécie de desabafo: “Estou a ver que tenho de o procurar, a ele e já agora ao Vasco Pulido Valente”, para umas “salutares bofetadas”.

No artigo em causa, sob o título “Tempo velho” na Cultura, Seabra acusa João Soares de “passados quatro meses” não ter apresentado qualquer política para o sector, revelando “tão só um estilo de compadrio, prepotência e grosseria”. O colunista considera ainda que o ministro de não tem “qualificações particulares para o cargo” e acrescenta que o gabinete de Soares não passa “de uma confraria de socialistas e maçons”.

Leia toda a história na edição do Expresso Diário, a partir das 18h