Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

1/5 do Congresso não confia na equipa de Passos

  • 333

Rui Duarte Silva

Os congressistas sinalizaram o seu desagrado com o facto de Passos ter decidido promover a ex-ministra das Finanças para a vice-presidência do PSD. A lista para a direção do partido foi a menos votada desde 2012

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Texto

Jornalista da secção Política

Helena Pereira

Helena Pereira

Texto

Editora de Política

A lista para a Comissão Política Nacional do PSD obteve 594 votos (80%) o que faz com que esta equipa dirigente escolhida por Pedro Passos Coelho seja a menos legitimada pelos militantes desde 2012. Há dois anos, em Aveiro, a lista para a Comissão Política Nacional encabeçada por Pedro Passos Coelho foi aprovada com 660 votos (correspondendo a 85% dos votos), mais três do que aqueles que obtivera em 2012 (657 votos, 88% dos votos).

Ao facto não é certamente indiferente a escolha de Maria Luís Albuquerque para uma da vice-presidências, muito contestada em vários setores do partido que não compreendem porque é que Pedro Passos Coelho não corta de vez com o passado e vira uma nova página na vida do partido. Estes setores gostariam de ter visto o líder a deixar para trás a sua ex-ministra das Finanças, tanto mais que esta tem sido alvo de muitas criticas (e de um processo de esclarecimento por parte da comissão parlamentar de ética) pelo facto de ter aceitado um lugar como administradora da Arrow Global, uma empresa financeira.

“Passos quis segurá-la. Não a podia deixar cair”, afirmou ao Expresso um deputado, recordando que o líder anuiu com o novo cargo de administradora não-executiva na Arrow Global e que portanto no seu entender não podia agora entrar em contradição.

Porém, o sentimento é de desconforto nas hostes menos alinhadas com Passos. “Não havia necessidade”, diz um ex-secretário de Estado. “Não acho bem”, declarou ao Observador o ex-dirigente e autarca de Aveiro, Ribau Esteves.“Optaria por uma lógica de renovação também nos protagonistas”, referiu Pedro Duarte à SIC.

Mas mesmo estes setores não ficaram inteiramente surpreendidos com a “promoção” de Maria Luís. Ao longo dos anos em que vem liderando os sociais-democratas, Passos já habituou o partido à sua “maneira de ser” - “a teimosia”, nas palavras de Santana Lopes que, ontem, acabou a comparar a personalidade do atual líder social-democrata com a de Francisco Sá Carneiro. Passos é já conhecido como o presidente que ouve muita gente mas acaba sempre por decidir consigo próprio e pela sua cabeça. Detesta ser pressionado e quanto mais lhe apontam o caminho por onde deve ir, mais depressa segue o seu próprio rumo.

Foi assim, por exemplo, quando há dois anos decidiu convidar Miguel Relvas para encabeçar a lista para o Conselho Nacional. Na altura os congressistas manifestaram com veemência o seu desagrado com a escolha e a lista encabeçada pelo ex-ministro adjunto obteve apenas 18 lugares. Desta vez, o lugar de número um do Conselho Nacional foi para Luís Marques Guedes e obteve a aprovação de 43,5% dos congressistas (33 lugares).