Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Para onde viajaram primeiro os Presidentes da República? (ou o conto de Marcelo, O Rápido)

  • 333

RUI OCHÔA/EXPRESSO

Com a viagem desta quinta-feira ao Vaticano e a Madrid, Marcelo Rebelo de Sousa bate recordes: é o primeiro Presidente da República a escolher o Papa para inaugurar os “passeios” diplomáticos. É também quem menos tempo demora a fazê-lo entre a posse e a primeira visita oficial (Cavaco era o recordista e Eanes foi o mais demorado). As contas e as histórias das primeiras visitas ao estrangeiro dos Presidentes da República da democracia

Fossem estes os idos tempos dos cognomes e Marcelo Rebelo de Sousa poderia muito bem ficar conhecido nos livros de História como “O Rápido”. Não que a Presidência seja uma qualquer corrida (obstáculos não lhe faltariam se o fosse). Mas os factos assim o ditam: no que às visitas oficiais diz respeito, Marcelo não perde tempo.

Segundo contas do Expresso*, Marcelo Rebelo de Sousa é o Presidente da República na história da Democracia que menos tempo demorou até à primeira visita oficial ao estrangeiro após ser empossado. Afinal, apenas oito dias separam o discurso solene na Assembleia da República, na passada quarta-feira, e a visita ao Vaticano e a Madrid esta quinta-feira.

O atual PR reduziu para metade o tempo levado pelo seu antecessor direto. Em 1996, passarem 13 dias entre o primeiro discurso de Cavaco Silva e a visita protocolar a Cabo Verde para representar Portugal na cerimónia de posse do seu homólogo. No extremo oposto, foram precisos 299 dias para que Ramalho Eanes saísse do país na qualidade de chefe de Estado, por ocasião de um convite para presidir à cimeira da NATO.

Aliás, existe um padrão comum nas primeiras visitas internacionais dos Presidentes. E não passa pela única fronteira terrestre de Portugal ou por visitas e jantares com os reis de Espanha. Em vez disso, é um Estado pertencente à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) o mais “popular” entre os PR: Cabo Verde. Quatro dos últimos seis presidentes (Spínola, Soares, Sampaio e Soares) escolheram o arquipélago como primeira saída do país.

O Expresso fez uma viagem pela história de Belém e recorda as primeiras visitas oficiais dos Presidentes da República dos íltimos 42 anos.

*Para este exercício, apenas são contabilizados os presidentes empossados no período da Democracia, isto é, após 25 de abril de 1974. São também excluídas as primeiras visitas oficiais dos segundos mandatos de Eanes, Soares, Sampaio e Cavaco.

António de Spínola

António de Spínola recebido em Cabo Verde, em setembro de 1974
1 / 3

António de Spínola recebido em Cabo Verde, em setembro de 1974

ARQ. A CAPITAL/IP

2 / 3

ARQ. A CAPITAL/IP

3 / 3

EUROPA PRESS

O primeiro Presidente da República no pós-Estado Novo tomou posse a 15 de maio de 1974. Mas com o agitado ambiente político que então se vivia no país, é apenas a 14 de setembro do mesmo ano – 122 dias depois – que se desloca à Ilha do Sal, em Cabo Verde, para conferenciar com Mobutu Sese Seko, seu homólogo do Zaire. O arquipélago ainda era, na altura, uma colónia ultramarina mas a viagem marca a primeira deslocação de Spínola fora do território que hoje constitui Portugal.

Numa altura em que todos os laços diplomáticos eram poucos, o Presidente fazia-se representar por várias comitivas. As negociações com PAIGC, UNITA e Frelimo sobre o futuro das colónias eram, na sua maioria, lideradas pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros Mário Soares.

Por sua vez, Spínola já se havia reunido com Richard Nixon nos Açores (a 19 de junho), uma semana depois de um dos primeiros confrontos com o MFA relativamente à descolonização. O seu mandato acabou por ter vida curta, renunciando em Conselho de Estado a 30 de setembro.

Costa Gomes

O Presidente da República Gomes da Costa discursa perante a Assembleia Geral da ONU
1 / 10

O Presidente da República Gomes da Costa discursa perante a Assembleia Geral da ONU

ARQ. A CAPITAL/IP

Costa Gomes durante a Assembleia Geral da ONU
2 / 10

Costa Gomes durante a Assembleia Geral da ONU

ARQ. EXPRESSO

O Presidente da República fala aos jornalistas, durante a visita aos EUA
3 / 10

O Presidente da República fala aos jornalistas, durante a visita aos EUA

ARQ. A CAPITAL/IP

Gomes da Costa e Gerald Ford em conversa
4 / 10

Gomes da Costa e Gerald Ford em conversa

ARQ. A CAPITAL/IP

À esquerda, Gomes da Costa e a comitiva portuguesa. À direita, Gerald Ford e os restantes anfitriões
5 / 10

À esquerda, Gomes da Costa e a comitiva portuguesa. À direita, Gerald Ford e os restantes anfitriões

ARQ. A CAPITAL/IP

6 / 10

ARQ. A CAPITAL/IP

Costa Gomes e Gerald Ford conversam na Casa Branca. Atrás seguem o ministro dos Negócios Estrangeiros Mário Soares e o secretário de Estado americano Henry Kissinger
7 / 10

Costa Gomes e Gerald Ford conversam na Casa Branca. Atrás seguem o ministro dos Negócios Estrangeiros Mário Soares e o secretário de Estado americano Henry Kissinger

ARQ. A CAPITAL/IP

8 / 10

ARQ. A CAPITAL/IP

9 / 10

A comitiva portuguesa nos EUA. Ao centro, o presidente Gomes da Costa e o secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger
10 / 10

A comitiva portuguesa nos EUA. Ao centro, o presidente Gomes da Costa e o secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger

ARQ. A CAPITAL/IP

Eleito pela Junta de Salvação Nacional, Costa Gomes torna-se Presidente da República a 30 de setembro de 1974. Escolha óbvia para muitos – foi nele que os Capitães de Abril pensaram para assumir o cargo ainda antes do golpe de estado –, o (então) futuro marechal prossegue os esforços pelo reconhecimento internacional de Portugal assumidos por Spínola.

E é por isso que, 17 dias depois de ser investido, Costa Gomes se desloca à Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, reunião onde é o primeiro PR português de sempre a discursar.

“O meu país tem uma história longa de mais de oito séculos e não nos será difícil perdoar a memória do último meio século, orientada por homens que não souberam sintonizar os seus ideais com a alma coletiva do povo a que pertence”, disse então o chefe de Estado.

Na viagem, Costa Gomes acabou também por visitar a Casa Branca e o inquilino de então, Gerald Ford. À reunião entre ambos assistiram Mário Soares e o secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger.

Aprovada a Constituição de 1976, o (então) futuro marechal cessa funções em julho desse ano.

Ramalho Eanes

Ramalho Eanes durante uma visita oficial a Angola, em abril de 1982

Ramalho Eanes durante uma visita oficial a Angola, em abril de 1982

ARQ. EXPRESSO

Findos os tempos do chamado Processo Revolucionário, Ramalho Eanes é eleito e empossado pela primeira vez a 14 de julho de 1976. Uma das suas primeiras ações foi a de investir o I Governo Constitucional, liderado por Mário Soares, a 23 desse mês.

Será preciso quase um ano – mais precisamente 299 dias – para que, de acordo com o Museu da Presidência da República, Eanes se deslocasse ao estrangeiro numa visita oficial. A 9 de maio de 1977, vai a Londres e à cimeira da NATO onde serve como Presidente de honra. Em cima da mesa, discutem-se as relações a longo prazo entre Ocidente-Oriente e o desenvolvimento de um programa de defesa do Atlântico Norte que seja duradouro.

Segue-se no mesmo mês uma viagem de estado a Espanha – tida por muitos como a primeira de Eanes – e, em dezembro, uma deslocação à República Federal da Alemanha. O último Presidente militar acabaria por cumprir dois mandatos em Belém até 1986, estabelecendo a tomada de posse do seu sucessor para 9 de março. Esta é, aliás, a data que tem vindo a ser mantida até hoje.

Mário Soares

Mário Soares durante a visita a São Tomé e Príncipe, em dezembro de 1986
1 / 4

Mário Soares durante a visita a São Tomé e Príncipe, em dezembro de 1986

ARQ. EXPRESSO

Mário Soares na visita à ilha de Príncipe, em dezembro de 1986
2 / 4

Mário Soares na visita à ilha de Príncipe, em dezembro de 1986

GUILHERME VENÂNCIO/GESCO

Os populares recebem o Presidente da República Mário Soares no Mindelo, Cabo Verde
3 / 4

Os populares recebem o Presidente da República Mário Soares no Mindelo, Cabo Verde

GUILHERME VENÂNCIO/GESCO

Mário Soares cumprimenta a população durante uma visita ao Mindelo, ilha de S. Vicente, Cabo Verde
4 / 4

Mário Soares cumprimenta a população durante uma visita ao Mindelo, ilha de S. Vicente, Cabo Verde

GUILHERME VENÂNCIO/GESCO

O primeiro Presidente civil chega a Belém a 9 de março de 1986. A 5 de dezembro desse ano, o PR desloca-se a S. Tomé e Príncipe, país para onde tinha sido deportado durante o Estado Novo. Passam 271 dias desde a posse até à primeira visita ao estrangeiro, tornando-se o segundo Presidente na história da Democracia a demorar mais tempo a fazê-lo.

Durante a viagem, o socialista viu no arquipélago a construção de um país novo “verdadeiramente independente, de progresso e de paz”, à qual Portugal se propunha ajudar. Para isso, assinou vários acordos de assistência social entre os dois países. E falou de tudo um pouco, da condenação ao apartheid a rasgados elogios a Samora Machel.

Soares é reeleito em 1991, cumpre dois mandatos desafiantes – de uma moção de censura a Cavaco a duas investiduras do mesmo como primeiro-ministro – e sai em março de 1996.

Jorge Sampaio

1 / 4

RUI OCHÔA/EXPRESSO

2 / 4

RUI OCHÔA/EXPRESSO

3 / 4

RUI OCHÔA/EXPRESSO

4 / 4

RUI OCHÔA/EXPRESSO

Com a primeira volta de 1986 ainda em mente, a esquerda evita repetir a história. Jerónimo de Sousa, pelo PCP-Verdes, e Alberto Matos, pela UDP, ainda se candidataram à presidência mas acabariam por desistir em prol do ex-presidente da Câmara de Lisboa Jorge Sampaio, o candidato da esquerda contra a força eleitoral do “Cavaquistão”.

Da tomada de posse – 9 de março de 1996 - até à primeira visita oficial – 12 de maio de 1996 – passam 64 dias marcados por visitas por todo o país e audiências com quase todas as personalidades da vida política nacional.

Como o seu antecessor, Sampaio escolhe Cabo Verde como primeiro destino. Em São Tiago, reuniu-se com o primeiro-ministro Carlos Veiga e recebeu delegações dos partidos com assento na Assembleia Nacional caboverdiana. Também passou por Praia, onde se encontrou com a comunidade portuguesa aí residente. A visita não ficaria completa sem uma visita ao Tarrafal, em homenagem aos milhares de presos políticos que por lá passaram durante o Estado Novo.

Antes da visita oficial ao país, Sampaio havia juntado em Belém o então embaixador de Cabo Verde em Lisboa e o seu homólogo português na Praia.

Cavaco Silva

Aníbal e Maria Cavaco Silva durante uma visita à Jordânia, em fevereiro de 2008
1 / 4

Aníbal e Maria Cavaco Silva durante uma visita à Jordânia, em fevereiro de 2008

JOÃO LIMA/CARAS

2 / 4

JOÃO LIMA/CARAS

Aníbal Cavaco Silva, Maria Cavaco Silva e a rainha da Jordânia cumprimentam os presentes
3 / 4

Aníbal Cavaco Silva, Maria Cavaco Silva e a rainha da Jordânia cumprimentam os presentes

JOÃO LIMA/CARAS

A última visita internacional de Cavaco foi a Nova Iorque, em setembro de 2015, por ocasião de uma Assembleia Geral das Nações Unidas. Durante a viagem, o PR visitou o MoMA
4 / 4

A última visita internacional de Cavaco foi a Nova Iorque, em setembro de 2015, por ocasião de uma Assembleia Geral das Nações Unidas. Durante a viagem, o PR visitou o MoMA

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Cavaco Silva ganha uma nova vida política em 2005 quando se candidata pela segunda vez à Presidência da República. Com os votos da esquerda divididos entre Mário Soares e Manuel Alegre, Cavaco vence à primeira volta e é empossado a 9 de março de 2006.

Daí à primeira deslocação ao estrangeiro decorrem apenas 13 dias, com o social-democrata a repetir a tendência dos anteriores Presidentes. A 22 de março, Cavaco assiste à cerimónia de posse do Presidente de Cabo Verde Pedro Pires, na Cidade da Praia. A visita torna-se inevitável nas relações diplomáticas dos dois países já que, dias antes, Pires havia estado na posse de Cavaco, a convite deste.

No mesmo ano, Cavaco visitaria ainda as tropas portuguesas na Bósnia, em abril de 2006, a Espanha (setembro de 2006), a Hungria (outubro) e o Uruguai (novembro). Apenas se encontra com Bento XVI no Vaticano a junho de 2008, dois anos depois. A última foi em setembro de 2015, por ocasião da 70ª Assembleia Geral das Nações Unidas. O destino: Nova Iorque.

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa, durante a audiência com o Papa Francisco

Marcelo Rebelo de Sousa, durante a audiência com o Papa Francisco

MIGUEL A. LOPES / Lusa

Foi deputado no tempo de Costa Gomes, ministro dos Assuntos Parlamentares com Eanes, candidato à Câmara Municipal de Lisboa com Soares, líder do PSD com Sampaio e comentador político com Cavaco.

Cinco Presidentes depois, Marcelo Rebelo de Sousa chega ao pináculo da sua vida política a 9 de março de 2016. Uma semana após a tomada de posse “diferente”, como foi assumido pelo próprio, o 20.º chefe do Estado desloca-se ao estrangeiro pela primeira vez para uma audiência com o Papa Francisco.

Marcelo junta a este “recorde” um outro: o de ser o primeiro a escolher o Vaticano como estreia simbólica nas deslocações internacionais. O Presidente rejeita motivações religiosas para o encontro com Francisco, invocando a História do país e a muito distante data de 1179, em que o Papa Alexandre III reconheceu Portugal como estado independente. Segundo o próprio, foi o Vaticano o primeiro a fazê-lo.

Ainda não estão agendadas as futuras viagens de Marcelo e da Presidência. Para já, foi a Roma ver o Papa. No caminho de volta passará por Madrid para “cumprimentar” o rei de Espanha. O monarca e a mulher oferecem o jantar esta noite.