Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Falou-se em português na audiência de Marcelo no Vaticano

  • 333

MIGUEL A. LOPES / Lusa

O Presidente da República ofereceu a Francisco um conjunto de seis casulas, desenhado pelo arquiteto português Álvaro Siza Vieira – paramentos religiosos de cores diferentes, adequados aos diferentes tempos litúrgicos – e ainda, proveniente da sua coleção particular, um registo de Santo António

Marcelo Rebelo de Sousa foi esta manhã recebido pelo Papa numa audiência no Vaticano, após a qual os dois chefes de Estado trocaram presentes.

Cerca das 10h06, o Presidente da República e Francisco encontraram-se num encontro que durou quase meia hora e no qual se falou em português, com o chefe da Igreja Católica a dar as boas vindas ao seu homólogo, entrando ambos de seguida para o gabinete do Papa, onde se sentaram à secretária.

Esse encontro terminou às 10h32, momento a partir do qual os jornalistas puderam entrar e testemunhar os cumprimentos do Papa Francisco à restante comitiva do PR.

A terminar, o Presidente da República ofereceu a Francisco um conjunto de seis casulas, desenhado pelo arquiteto português Álvaro Siza Vieira – paramentos religiosos de cores diferentes, adequados aos diferentes tempos litúrgicos, em verde, roxo, azul, vermelho, branco e rosa. Marcelo Rebelo de Sousa ofereceu ainda, proveniente da sua coleção particular, um registo de Santo António.

Por sua vez, o Papa ofereceu os presentes reservados aos chefes de Estado, que consistiram, neste caso, em versões portuguesas da encíclica "Louvado sejas" e a exortação apostólica "Alegria do Evangelho", os dois grandes documentos do pontificado de Francisco. O Papa ofereceu igualmente a Marcelo um medalhão do seu pontificado, que tem dois ramos de oliveira entrelaçados.

Falando em espanhol, o chefe da Igreja Católica explicou que a oliveira é o sinal da paz e a missão dos políticos é construir a paz.

Após a audiência papal, Marcelo Rebelo de Sousa foi recebido pelo cardeal secretário de Estado do Vaticano, equivalente a um primeiro-ministro, Pietro Parolin.

O Presidente da República chegou ao Vaticano antes das 10h, tendo sido recebido pela guarda suíça no pátio interior, subindo depois ao terceiro andar, num percurso em que passou por diversos tetos com frescos do pintor renascentista Rafael.