Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Quanto tempo para preparar a visita do Presidente? Se for Marcelo, 15 minutos

  • 333

Marcelo só tomou posse na semana passada mas ainda não parou de surpreender. Esta segunda-feira apeteceu-lhe ir a uma exposição - viu atentamente todas as galerias, posou para as fotografias e até deixou uma mensagem no livro de honra

O presidente com a equipa responsável pela exposição

O presidente com a equipa responsável pela exposição

D.R.

Faltavam 15 minutos para as 11h30 quando os responsáveis pela exposição Real Bodies, instalada na Cordoaria Nacional, na Ajuda, receberam uma chamada pouco habitual. Do outro lado, alguém da equipa de Marcelo Rebelo de Sousa perguntava se o novo Presidente da República podia visitar a exposição... daí a um quarto de hora.

Já se sabia que Marcelo queria ser "o presidente dos afetos", como o próprio prometeu durante a campanha eleitoral, e agora prova que também é o presidente das surpresas. Para espanto de quem lá se encontrava, após a visita à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) na manhã desta segunda-feira, o Presidente decidiu deslocar-se com segurança e assessores à exposição que mostra em pormenor os órgãos que formam o corpo humano.

Na exposição, o chefe de Estado "percorreu atentamente todas as galerias", como relatam os responsáveis pela assessoria da exposição em comunicado de imprensa. "Correu tudo lindamente", garante Isabel Castanho, da empresa Inha e Maria Luís, ao Expresso, salientando que "não houve tempo para qualquer mudança na logística da exposição", uma vez que a visita foi uma surpresa para toda a gente.

Marcelo deixou o seu testemunho no livro de honra da exposição

Marcelo deixou o seu testemunho no livro de honra da exposição

D.R.

O antigo professor de Direito aproveitou ainda para conversar e tirar uma fotografia com um dos grupos de alunos que ali se encontravam, assim como com a equipa responsável pela exposição. Depois, Marcelo assinou o livro de honra, onde garantiu que a exposição é "espetacular", e seguiu viagem para o Palácio de Belém, onde estava previsto que chegasse logo após a ida à CPLP.

A visita à Cordoaria Nacional surpreende, mas não é a única pista que indica que o estilo de Marcelo é bem diferente do do seu antecessor. É que desde a tomada de posse, para a qual se deslocou a pé furando o protocolo, o novo presidente já abriu as portas do Palácio de Belém a quem o quisesse conhecer e até improvisou um rap em visita ao bairro do Cerco, um dos mais pobres do Porto.