Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD manda delegação VIP à despedida de Portas

  • 333

Alberto Frias

Passos Coelho lidera a delegação dos sociais-democratas ao Congresso do CDS que se realiza este fim de semana. Ex-primeiro ministro quer manter Assunção Cristas como “parceiro preferencial”

Pedro Passos Coelho decidiu mandar uma delegação de peso ao Congresso do CDS que marcará a substituição de Paulo Portas por Assunção Cristas na liderança do partido.

Uma nota à imprensa anuncia que o PSD se fará representar no Congresso, que decorre este sábado e domingo em Gondomar, pelo próprio líder Passos Coelho, pela vice-presidente do partido Teresa Leal Coelho, pelo líder parlamentar Luís Montenegro e pelo presidente do PSD/Porto Virgílio Macedo.

A reunião ficará marcada pela despedida de Paulo Portas, mas a alta representação do PSD no evento tem sobretudo que ver com a chegada ao poder no CDS de Assunção Cristas.

Passos quer sinalizar que, como tem dito, o CDS, com quem governou durante quatro anos e com quem ganhou em coligação pré-eleitoral as legislativas de outubro, continua a ser "o parceiro preferencial" para os sociais-democratas.

  • A primeira mulher a liderar o CDS

    A futura líder dos centristas admite que o partido talvez não tenha ainda força para alcançar sozinho o poder. A partir do congresso deste fim de semana, Assunção Cristas vai ser a primeira mulher a liderar o CDS-PP. Uma jornalista da SIC acompanhou parte do dia da sucessora de Paulo Portas

  • “Mãe realizada e feliz”, “profissional brilhante e de sucesso”, “ministra com obra respeitada” - tudo vale para elogiar a candidata à sucessão de Portas. No texto publicado no jornal do CDS, Xavier desvaloriza a curta história de Cristas no partido

  • Assunção Cristas: “Somos adversários do PSD como do PS”

    Com o caminho aberto para a liderança do CDS, já há no partido quem lhe chame “Boss AC”. No dia em que se assumiu como candidata, Assunção Cristas explicou como se articulou com Nuno Melo, como vai viver com a sombra de Portas e como vai gerir a oposição ao Governo e a relação com o PSD. Para Cristas, o “parceiro mais óbvio e natural é o PSD, mas com uma correlação de forças que já não precisa de ser aquela que resultava do voto útil, quando as pessoas votavam PSD com medo que os outros ganhassem”

  • A ministra que levou o mar na mala

    No verão de 2014, fomos ao Japão com a então ministra Assunção Cristas. Contámos como ela trabalhava, como pensava e como conciliava o papel de governante com o de mãe. Já então com uma certeza: “Estou na política para ficar”. Esta é uma reportagem sobre mar e sobre peixe e sobre uma ministra. Mas é mais que isso. É um texto que retrata na perfeição quem é Assunção Cristas, que agora quer suceder a Portas na liderança do CDS