Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sucessão das secretas abre guerra na maçonaria

  • 333

João Carlos Santos

Secretário-geral das informações pôs lugar à disposição mas António Costa segura-o. Lojas maçónicas disputam lugar

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

A possibilidade de substituição do secretário-geral dos Serviços de Informação da República Portuguesa (SIRP) com a chegada do novo Governo abriu campo a uma guerra surda entre as duas principais obediências da maçonaria, que disputam o cargo. A Grande Loja Legal de Portugal (mais conhecida como a maçonaria regular) considera que o Grande Oriente Lusitano (GOL) está sobrerrepresentado naqueles serviços e alerta para a possibilidade de eventuais sucessores pertencerem também a este último ramo.

Ao que o Expresso apurou, o tema foi mesmo discutido entre o primeiro-ministro António Costa e o Presidente-eleito, que recebeu em Queluz o secretário-geral Júlio Pereira, bem como os diretores dos dois serviços que ele superintende, o SIS e o SIED, respetivamente o braço interno e externo das informações. Nos termos da lei, o Presidente da República deve ser informado sobre a situação neste sector. A nomeação do responsável compete ao primeiro-ministro, ouvindo o Presidente.

Questionado pelo Expresso, fonte oficial do Governo garantiu porém que “não está prevista qualquer mudança no SIRP”. A substituição de Júlio Pereira parece assim fora de causa neste momento, não sendo de todo uma prioridade para António Costa, que se apresta a cortar cerce os rumores que correm.

Júlio Pereira está à frente das informações desde maio de 2005, tendo sido nomeado ainda por José Sócrates. Manteve-se, contra ventos e marés, durante todo o Governo de Passos Coelho e, agora, terá posto mais uma vez o lugar à disposição, em função da regra dos dirigentes da Administração Pública quando entra um novo responsável.

O secretário-geral está diretamente dependente do primeiro-ministro, assumindo-se como uma espécie de pivô entre o Governo e os serviços de informação. O seu cargo não tem mandatos.

Dossiês complicados

Mas o secretário-geral não tem tido uma vida fácil nos últimos anos. Depois do escândalo da saída de Jorge Silva Carvalho, então diretor do SIED, diretamente para os quadros da Ongoing, onde terá utilizado os serviços secretos, seguiu-se o rumor do seu eventual convite para substituir Júlio Pereira mal Passos Coelho chegou ao poder. Foi o período em que vieram à luz do dia as ligações entre a maçonaria e os serviços secretos.

Jorge Silva Carvalho era conotado com a maçonaria regular e todo o esquema montado circulava entre meios maçónicos. Silva Carvalho, cujo julgamento está a decorrer, é acusado de violação do segredo de Estado, corrupção, abuso de poder e acesso ilegítimo a dados pessoais. Júlio Pereira foi chamado a depor na sequência das declarações do antigo responsável do SIED e, aliás, seu antigo chefe de gabinete.

Mais tarde, com a eclosão de novo escândalo — dos vistos gold — o secretário-geral é de novo falado, tão-só por ter participado num jantar privado onde estavam presentes envolvidos no processo. E, de novo, vêm à luz do dia as ligações maçónicas entre uns e outros.

Para os críticos, seria tempo de Júlio Pereira ser substituído e, eventualmente, é essa ideia que pretendem fomentar. Certo é que, depois de uma breve passagem pelo cargo do seu antecessor, é ele que põe de pé a estrutura. E os sucessivos responsáveis do SIS e do SIED estiveram-lhe sempre muito ligados.

Não é só Silva Carvalho que foi seu chefe de gabinete, como também o foram primeiro Casimiro Morgado (que sucedeu àquele no SIED) e, depois, Adélio Neiva da Cruz, que assumiu a direção do SIS no final de 2014.

Que sucessores?

Agora, é sua chefe de gabinete Paula Morais — e fala-se dela também como sua potencial sucessora, entre outros nomes. Ou seja, de cada vez que houve uma substituição, garantiu-se uma linha de continuidade e estabilidade.

A verdade é que, mesmo assumindo o Governo que não pretende mover as peças, os meios estão agitados. Há 25 novos membros das secretas que entraram agora por concurso e, em breve, como é costume, realizar-se-á um Conselho de Informações, o primeiro com este primeiro-ministro.

É natural que sejam debatidas questões de orientação estratégica. E quem aposta em novos sucessores quer saber se eles defendem ou não aquilo que tem sido a linha mestra de atuação dos serviços, isto é, a aposta na lusofonia e no Atlântico Sul.

Por outro lado, há quem debata se será indicado ir buscar alguém de dentro, isto é, funcionários ou ex-funcionários dos serviços, ou fora, sejam diplomatas ou mesmo militares e até polícias. Para cada um, as obediências maçónicas têm um nome. Mas não parece que António Costa esteja interessado em entrar nesse filme.