Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo formaliza candidatura de Guterres à ONU

  • 333

DENIS BALIBOUSE / Reuters

Decisão é justificada com a “vasta experiência internacional” obtida por António Guterres como Alto Comissário das Nações Unidas, e pelo facto de esta escolha reunir “amplo consenso interno”

É oficial: a candidatura de António Guterres a secretário-geral das Nações Unidas foi esta segunda-feira formalizada pelo Governo português. Numa carta dirigida aos presidentes da assembleia-geral e do conselho de segurança das Nações Unidas, o Executivo garante que a escolha reúne um "amplo consenso interno" em torno de um candidato "excecionalmente qualificado".

No documento, o Governo português sublinha a experiência de Guterres enquanto primeiro-ministro e Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, cargo que exerceu entre 2005 e 2015 e que, argumenta o Executivo, prova que Guterres "é um profundo conhecedor do sistema das Nações Unidas e possui uma vasta experiência internacional".

Para mais, entre os argumentos do Governo de Costa para defender a candidatura de Guterres está a forma como lidou com a atual crise dos refugiados: "Enquanto ACNUR, lugar que ocupou em dois mandatos sucessivos, lidou com um dos mais exigentes desafios com que a Comunidade Internacional se depara, desempenhando as suas funções com irrepreensíveis imparcialidade, competência e eficácia, bem como profunda consciência humanitária em prol das populações refugiadas e deslocadas".

A carta elogia ainda as qualidades de "liderança e gestão" e as "competências diplomáticas" de Guterres, relevantes numa altura em que "mais do que nunca, é urgente mobilizar o mundo em prol da paz e da segurança, dos direitos humanos e do desenvolvimento sustentável".

Como o Expresso noticiava este sábado, António Guterres já começou a sua preparação intensiva para o processo de candidatura, que terá início na terceira semana de abril, com as audições perante os Estados-membro. Neste processo também se inclui a participação em conferências organizadas pelas Nações Unidas, em que os candidatos são convidados a intervir para falar de temos diversos, desde a paz e o desenvolvimento aos direitos humanos.

Um nome consensual

A oficialização da candidatura surge depois de todos os partidos com assento parlamentar terem garantido o apoio a António Guterres. Na passada quinta-feira, Catarina Martins assegurou que o ex-primeiro-ministro socialista conta com o apoio do Bloco de Esquerda, elogiando o seu desempenho como Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

Os sociais-democratas garantiram apoiar de forma "entusiástica" a candidatura e os centristas, pela voz do ainda líder Paulo Portas, também confirmaram a aposta num nome que "honra a imagem de Portugal lá fora". Já o PCP disse simplesmente ter comunicado a Guterres as questões que deseja "ver asseguradas a partir do exercício do cargo do secretário-geral da ONU".

O conselho de segurança da ONU deverá começar a analisar as candidaturas ao cargo em julho, apresentando depois o candidato preferido à assembleia-geral, que o vota numa resolução ainda sem data marcada. Neste momento há seis candidatos, provenientes da Eslovénia, Croácia, Montenegro, Eslovénia, Bulgária e Moldávia.