Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Teresa Leal Coelho diz que o OE é resultado da “obstinação socialista”

  • 333

Marcos Borga

Para a deputada do PSD, o Governo socialista será o “único responsável por este Orçamento”, que considera ser “desajustado” para uma estratégia de médio e longo prazo e “imprevisível” em termos fiscais

Depois das críticas da oposição ao facto de o PSD votar contra este Orçamento, Teresa Leal Coelho foi taxativa: “Somos sociais-democratas, como fomos ontem e como seremos amanhã. Nós, no PSD, somos patriotas e defendemos Portugal, dentro e fora de Portugal, mas discordamos deste rumo”, declarou a deputada social-democrata, esta segunda-feira, durante o debate parlamentar sobre o OE 2016

Acusando o anterior Governo socialista de ter escondido o valor da dívida pública, Teresa Leal Coelho garantiu que o Executivo da coligação PSD/CDS só lançou medidas de austeridade necessárias.

“Apesar de constrangimentos que herdámos, tivemos que fazer o que era necessário. Mas nós não fomos além da troika, a troika é que não foi suficientemente informada sobre os números que estavam subjacentes. Havia muita dívida debaixo do tapete”, observou.

Defendendo que o Governo socialista “será o único responsável por este Orçamento” - que considera ser “desajustado” para uma estratégia de médio e longo prazo e “imprevisível” em termos fiscais -, a deputada do PSD diz que o OE 2016 “já foi tudo e o seu contrário.”

Para a deputada social-democrata, este orçamento não traduz uma “estratégia clara” do ponto de vista económico e financeiro, nem sustenta uma “estratégia de crescimento e de desenvolvimento coerente”.

Ao invés, diz Teresa Leal Coelho, o documento “ameaça os contribuintes, os agentes económicos, os investidores, o crescimento económico, a criação de emprego e a captação do investimento”. Este OE é resultado da “obstinação socialista.”