Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Catarina Martins: “Este OE é tímido” mas “pode começar a dar oxigénio”

  • 333

Marcos Borga

Porta-voz do BE considera que o Orçamento do Estado para este ano é “tímido” na recuperação dos salários e das pensões. Mas garante que abre a porta ao fim da austeridade: “O Bloco de Esquerda orgulha-se desse caminho”

“Este é o Orçamento do Estado do PS e não do BE, mas será viabilizado pelo nosso voto”, afirmou esta segunda-feira de tarde no parlamento Catarina Martins.

A porta-voz do BE afirma que o documento ainda é pouco ambicioso no que diz respeito à recuperação dos salários e das pensões, mas defende que abre a porta ao fim da austeridade. “Este Orçamento pode começar a dar o oxigénio que a austeridade asfixiou. São escassas as mudanças para algumas pessoas, mas este OE vai no sentido de repor rendimentos e o BE orgulha-se deste caminho”, diz Catarina Martins.

Garantindo que não existe austeridade “redistributiva”, nem “criativa”, a deputada bloquista admite que o OE ainda é “tímido” sobretudo para aqueles que não têm emprego. “Há um milhão de portugueses sem emprego, na sua maioria sem qualquer apoio. É precisamente aos desempregados que a resposta é mais difícil de dar”, sustenta.

Apontando o dedo a Bruxelas, a deputada do BE culpou o executivo comunitário de travar um documento mais ambicioso no que diz respeito ao rendimento das famílias.

Catarina Martins congratulou-se com o facto de ter sido possível alcançar uma entendimento dos partidos à esquerda com o PS, defendendo que o anterior Governo da coligação agravaria a austeridade.

Ainda assim, insiste nas críticas a alguma opções do Executivo socialista neste documento. “Somos muito críticos nas opções do Governo em muitas destas matérias - como educação e saúde. São escassas as respostas a quem quer mais urgente a mudança.”

  • Costa fechou OE com Catarina e Jerónimo

    “Não há problema nenhum” com o Orçamento do Estado para 2016, garante o primeiro-ministro. Leia este artigo publicado originalmente na edição do Expresso deste sábado