Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa. “Portugal deve trazer soluções à UE em vez de falar dos seus problemas”

  • 333

Bernd von Jutrczenka/EPA

Primeiro-ministro português confirmou no final do Conselho Europeu que o país está disponível para receber refugiados que cheguem à Grécia, Itália, Alemanha, Suécia e Áustria. Portugal pode receber um total de 10 mil refugiados

O primeiro-ministro português confirmou esta sexta-feira que Portugal se ofereceu para acolher vários milhares de refugiados que chegam à Suécia, Alemanha, Áustria e Itália. Segundo António Costa, a proposta surgiu para aliviar os países que têm sido mais pressionados pela procura de refugiados.

Falando em conferência de imprensa no final do Conselho Europeu, em Bruxelas, o primeiro-ministro português esclareceu que reafirmou tanto no âmbito da União Europeia como de forma bilateral "a disponibilidade de Portugal para receber refugiados". O governante acrescentou que "há um conjunto de oportunidades" na sociedade portuguesa para vários perfis de refugiados, "desde lugares em universidades, institutos politécnicos e escolas profissionais para jovens que desejem prosseguir os seus estudos" até empregos no setor agrícola.

De acordo com Costa, a proposta já foi feita aos seus homólogos nestes países, que estão agora a fazer a avaliação dos perfis profissionais dos refugiados para que Portugal possa identificar "as oportunidades de integração efetiva" que pode oferecer a estes migrantes.

Portugal só recebeu 30 dos 4500 refugiados previstos

Explicando que "o processo de relocalização dos refugiados na União Europeia não tem sido um sucesso" - Portugal, por exemplo, só recebeu até agora 30 dos cerca de 4500 refugiados incluídos na respetiva quota -, o primeiro-ministro salientou que Portugal está a "dar o exemplo" da atitude solidária que deve distinguir os países europeus.

"Portugal tem de retomar a boa tradição de ser um país que ajuda a arranjar soluções em vez de vir falar dos seus problemas", acrescentou Costa, explicando ainda que o país só pode "ganhar capacidade negocial nas suas áreas de interesse específico se for pró-ativo nas áreas de interesse comum".

As informações que indicavam que Costa teria enviado cartas aos chefes do Governo da Suécia, Alemanha, Áustria e Itália surgiram esta manhã na imprensa grega, que adiantava que o primeiro-ministro português estaria a fazer esta proposta num gesto de "solidariedade".

Costa quer receber 10 mil refugiados

Recorde-se que segundo a quota atribuída a Portugal, o país deve receber 4295 refugiados para recolocação (ou seja, migrantes que já estão em território europeu) e 191 para reinstalação (requerentes de asilo que se encontram em países terceiros). Estes números são válidos para um período de dois anos.

Segundo informações avançadas à Lusa por fonte do Governo, o primeiro-ministro disponibilizou-se para receber mais cerca de 5800 refugiados além da quota comunitária. Deste modo, Portugal poderia vir a acolher no total um número próximo de 10 mil refugiados.

A mesma fonte adiantou que a proposta de António Costa propõe o acolhimento de cerca de 2000 estudantes universitários, 800 no ensino vocacional e entre 2500 e 3000 refugiados qualificados para trabalhar nas áreas agrícola e florestal.