Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa usa redes sociais para explicar OE2016 aos portugueses

  • 333

Marcos Borga

O primeiro-ministro anunciou este domingo a divulgação de vários vídeos onde explicará “pessoalmente” aos cidadãos a proposta de OE2016. As duas primeiras 'lições' já foram publicadas no YouTube e partilhadas no Twitter e no Portal do Governo

O primeiro-ministro aliou-se às redes sociais para explicar aos portugueses a proposta de Orçamento de Estado para 2016. Para além do Portal do Governo, António Costa irá utilizar a conta de Twitter do Executivo para partilhar vídeos publicados no Youtube onde dará a sua “explicação pessoal” sobre os vários temas previstos nesta proposta: a forma como “influi no rendimento das famílias, diminui a carga fiscal, cria condições para as empresas poderem investir.”

Os dois primeiros vídeos já foram disponibilizados esta tarde, um dia depois de 16 ministros do Governo terem estado em vários pontos do país em sessões de esclarecimento com militantes e simpatizantes socialistas. “Um orçamento responsável” e “um orçamento de escolhas” foram os motes lançados pelo chefe de Governo português nestas primeiras 'lições' online.

“Este é um orçamento muito exigente, que cumpre os nossos compromissos eleitorais, os nossos compromissos com os parceiros parlamentares e os nossos compromissos com os parceiros da UE”, diz António Costa. “É um orçamento responsável, para podermos dar ao país três desígnios: mais crescimento, melhor emprego, maior igualdade.”

No segundo vídeo, Costa refere “as escolhas certas” que o Governo fez nesta proposta de OE2016, em nome da “justiça social e fiscal”. Entre elas, são referidas a diminuição do IRS para 99, 7% da população, compensada pela tributação da banca para o Fundo de Resolução, e a diminuição do IVA na restauração, contrabalançada por um aumento de impostos especiais sobre o consumo.

“Não queremos que sejam os mesmos a pagar, queremos que o esforço seja distribuído com justiça e equidade, mas de uma forma responsável”, remata assim o primeiro-ministro português.