Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos pergunta por “plano B”, Costa não antecipa medidas

Marcos Borga

Um dia depois de Mário Centeno ter anunciado que vai preparar medidas adicionais para aplicar “se for necessário”, o líder social-democrata aproveitou o debate quinzenal no Parlamento para questionar o Governo sobre essas mesmas medidas. A resposta de Costa não agradou a Passos

No debate quinzenal realizado esta sexta-feira no Parlamento, Pedro Passos Coelho questionou qual o "plano B" do Governo "para acudir à situação orçamental", insistindo para que o primeiro-ministro dissesse "que tipo de medidas" estão a ser preparadas e "sobre que áreas atuam". Segundo Passos, o Parlamento e o país "têm direito a saber" já quais as eventuais medidas adicionais de ajuste orçamental, um pedido também ecoado pela bancada parlamentar do CDS.

Na resposta, António Costa afirmou que todas as medidas com que o executivo do PS já se comprometeu "são públicas". "O que iremos fazer, naturalmente com espírito construtivo, é começar a preparar medidas que manteremos em carteira, responsavelmente, para utilizar caso venham a ser necessárias. Agora, a nossa convicção é que elas não serão necessárias", disse Costa durante a sua intervenção. "Não temos nada a esconder."

No que respeita ao processo orçamental, o primeiro-ministro referiu que no ano passado, quando PSD e CDS-PP estavam no Governo, o Eurogrupo disse que havia "risco de não cumprimento com as recomendações do procedimento por défices excessivos" e que eram "necessárias medidas adicionais".

Ainda segundo Costa, e ao contrário dos tempos do executivo de Passos, a questão das medidas adicionais é posta "de um modo eventual e meramente preventivo". "Temos muita confiança na nossa capacidade de executar, porque sabemos que as medidas que adotámos, mesmo as que adotámos a contragosto, são medidas que não terão efeito negativo no conjunto da economia, no rendimento dos portugueses, na vida das empresas. E, sobretudo, não contribuirão para uma dinâmica recessiva, como a estratégia que o seu Governo adotou", acrescentou.

Passos Coelho retorquiu que "não vale a pena ir buscar 2015". "A Comissão Europeia não nos pediu à cabeça medidas nenhumas. E o seu ministro das Finanças, ontem [quinta-feira], disse que ia trabalhar já nessas medidas, que elas seriam analisadas na reunião do Eurogrupo em abril e, caso fossem necessárias, executadas", prosseguiu.

O presidente do PSD exigiu respostas a António Costa e lembrou que este no último debate quinzenal lhe chamou primeiro-ministro: "Mas convém não se esquecer que o senhor é o primeiro-ministro e tem mesmo de responder".

Face às respostas do primeiro-ministro, Passos Coelho concluiu que "o Governo não quer informar o país de quais são as medidas que estão a preparar", que "com certeza" serão preparadas "em conjunto com o PCP e com o BE" e conhecidas depois de reuniões com esses partidos.