Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PS quer ver explicadas as previsões do FMI e da Comissão

  • 333

TIAGO PETINGA / LUSA

Deputados socialistas da Comissão de Orçamento e Finanças querem que a Unidade Técnica de Apoio Orçamental analise detalhadamente as previsões macroeconómicas para Portugal, do FMI e da Comissão Europeia, conhecidas esta quinta-feira

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

Os deputados do PS na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças querem que a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) faça uma análise detalhada das previsões macroeconómicas para Portugal do FMI e da Comissão Europeia (CE) e que as compare com as previsões do Governo.

Os socialistas não compreendem como é que as instituições internacionais são tão pessimistas em relação ao desempenho orçamental português. Esta quinta-feira, a CE admitiu que Portugal será o país da zona euro onde o défice mais derrapará e o FMI faz um alerta no mesmo sentido. João Galamba, porta-voz do PS, comentou o tema no Facebook.

"O Governo aumenta significativamente rendimento das famílias, com particular ênfase nas famílias mais pobres. A teoria econômica e o senso comum dizem que isto leva a aumentos do consumo privado. O INE parece confirmar a teoria (e o senso comum) e diz que a confiança dos consumidores aumentou em janeiro. O FMI e a CE parecem ignorar isto tudo e preveem que consumo das famílias desacelere fortemente. Quem deve explicações sobre as suas previsões macroeconómicas não é o Governo, mas sim FMI e CE", refere o porta-voz do PS.

Nesse sentido, "os deputados do PS na Comissão de Orçamento e Finanças vão solicitar à UTAO uma análise detalhada e comparativa das previsões económicas do governo e das instituições internacionais". "Não temos medo e confiamos no nosso quadro macro."

O requerimento dos socialistas deu entrada na comissão esta quinta-feira e será votado na reunião agendada para a próxima quarta-feira.

  • FMI faz contas: défice de 2016 ficará em 3,2%

    Com uma dívida pública perto de 130% do PIB, a missão do Fundo Monetário Internacional sublinha que há “pouca margem para a flexibilização da orientação da política orçamental”. Custos orçamentais adicionais, situação da banca, elevada dívida das empresas, subida do salário mínimo preocupam técnicos do FMI