Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

César confirma: negociações técnicas já acabaram, só falta “decisão política”

  • 333

Pedro Nunes/Lusa

Líder parlamentar do PS anuncia que as negociações com os técnicos da Comissão Europeia sobre o Orçamento do Estado para este ano estão fechadas, com “desenvolvimentos muito positivos”

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

Carlos César, líder parlamentar do PS, confirmou esta quinta-feira de manhã em declarações aos jornalistas que "a fase dos trabalhos técnicos está concluída" no processo de negociação do Orçamento do Estado com a Comissão Europeia. Agora, acrescentou, "estamos na fase da decisão política".

O presidente da bancada socialista acrescentou ainda que, nessa fase de negociações com a missão técnica enviada a Lisboa pela Comissão Europeia, "os desenvolvimentos foram muito positivos" para as pretensões do governo português.

As declarações de César vêm confirmar a informação adiantada quarta-feira pelo Expresso sobre o acordo técnico já alcançado entre o Governo de Portugal e a Comissão Europeia, bem como sobre os ganhos de causa que Lisboa terá assegurado nessa negociação.

Apesar de Pierre Moscovici ter declarado quarta-feira que os trabalhos continuam e que só esta sexta-feira haverá uma decisão da Comissão sobre o Orçamento português, o Expresso voltou esta manhã a confirmar junto de fontes socialistas que "no essencial o acordo está feito" e já mereceu a concordância do comissário europeu responsável pelos assuntos financeiros. Os pormenores que ainda estão em aberto "não põem o Orçamento em causa", assegurou esta quinta-feira uma fonte que tem acompanhado o processo do lado do Governo.

A "decisão política" a que Carlos César se referiu sairá esta sexta-feira da reunião extraordinária do colégio de comissários. E, nesse fórum, o governo português tem menos garantias. Embora confie que as negociações e as cedências de parte a parte serão suficientes para prevenir um chumbo, o Executivo admite algum grau de crítica ao OE. "Tal como acontece com muitos outros países", acrescenta a mesma fonte.