Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Cândido Ferreira faz participação à ERC e CNE

  • 333

Mário Cruz / Lusa

Depois de ter abandonado o debate na TVI por discordar do modelo imposto pelas televisões, o candidato presidencial anuncia a apresentação de uma participação à Entidade Reguladora da Comunicação Social e Comissão Nacional de Eleições sobre a desigualdade de tratamento televisivo em campanha eleitoral e pelo incidente na TVI

A candidatura de Cândido Ferreira apresentou este domingo uma participação à Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) e Comissão Nacional de Eleições (CNE) sobre “os critérios desigualitários e antidemocráticos” utilizados pela RTP, SIC e TVI para os debates entre os candidatos presidenciais.

A candidatura de Cândido Ferreira considera que não foi apenas através do modelo de debates definido para a TVI que o candidato presidencial foi discriminado. “As três televisões (RTP, SIC e TVI) já antes tinham discriminado a candidatura presidencial do Dr. Cândido Ferreira, não lhe tendo concedido, desde o seu lançamento, mais nenhuma referência ou imagem, apesar de muitos esforços da candidatura”, pode ler-se num comunicado enviado ao Expresso. “Uma eleição política é (…) um importante ato cívico onde os critérios de isenção e de igualdade são (ou deverão ser) especialmente aplicados.”

Num comunicado assinado por Vítor Roque, o mandatário nacional da sua candidatura, considera-se que “a falsa solução” encontrada para os debates entre os dez candidatos “foi a mais desastrosa, desrespeitosa, injusta e antidemocrática.”

Cândido Ferreira refere-se assim à organização de debates em três grupos distintos: o primeiro formado “por aqueles que as sondagens apontam com mais hipóteses de ganhar” (Marcelo Rebelo de Sousa, Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa), um segundo grupo (Edgar Silva, Marisa Matias, Henrique Neto e Paulo Morais) e o terceiro (Cândido Ferreira, Vitorino Silva e Jorge Sequeira), “alegadamente o dos últimos a apresentarem as assinaturas (ignorando-se que Marcelo Rebelo de Sousa foi mesmo o último).”

Para além disso, Cândido Ferreira diz não compreender por que razão os candidatos do terceiro grupo “apenas têm o direito a enfrentar, e ainda assim todos juntos e em horário não nobre, os candidatos do primeiro grupo, jamais se confrontando com os do segundo grupo.”

Foi por estes motivos que o candidato abandonou o debate de sexta-feira à noite com Marcelo Rebelo de Sousa, Tino de Rans e Jorge Sequeira, criticando “o combate muito desigual” e a “profunda e injusta discriminação” dos meios de comunicação social. Após a sua saída, Marcelo Rebelo de Sousa mostrou concordar com a atitude de Cândido Ferreira.