Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Banif: António Costa culpa troika e anterior Governo

  • 333

STEPHANIE LECOCQ/ EPA

Em entrevista ao “Jornal de Notícias” sobre o balanço do primeiro mês de Governo PS, publicada no dia de Natal, o primeiro-ministro realça que a troika esteve “desatenta ao sistema financeiro” e culpa também o anterior Governo pelo caso Banif

A troika e o anterior Governo têm, para António Costa, responsabilidades no caso Banif. A troika por ter estado “desatenta ao sistema financeiro” e pouco ter feito pela regulação do setor bancário, o anterior Governo por não ter tomado as decisões necessárias para resolver os problemas do banco.

“A troika andou excessivamente preocupada a procurar problemas no Estado, nas autarquias, nas freguesias e nas regiões, e bastante desatenta ao que acontecia no sistema financeiro”, criticou o primeiro-ministro português em entrevista ao “Jornal de Notícias”. E relembra que “já vamos em duas resoluções bancárias”, o que indica que era para aí que “também se devia ter olhado”.

Para além dos credores, o chefe de Governo não esquece os seus antecessores. Costa considera que o PSD/CDS pouco ou nada fizeram e que se tivesse sido tomada uma decisão há três anos (e não “em três semanas, “em condições adversas e com custos pesados”) os custos seriam menores.

Ainda assim (apesar da injeção de 2,2 milhões de euros no Banif), o atual primeiro-ministro afasta a possibilidade de aumento de impostos, sublinhando que o seu programa de Governo foi “prudente e conservador” de modo a preparar o Orçamento de acordo com as promessas do seu partido. E confirma que, quando durante a campanha eleitoral anunciava surpresas nas contas públicas, era do Banif que estava a falar.

  • Bruxelas queria liquidar o Banif

    O Banif foi o quarto banco a ser intervencionado desde 2008. Custos com o banco fundado por Horácio Roque podem ultrapassar os €3 mil milhões. A decisão dentro do Banco de Portugal não foi pacífica

  • Salvar o Banif é salvar a Madeira?

    Sem a intervenção do Estado, 80% das famílias madeirenses seriam afetadas pela crise do Banif - com consequências semelhantes ao colapso das casas bancárias nos anos 30

  • Banif. Processo de três anos resolvido em cinco dias

    O Estado injetou €700 milhões no capital do Banif em 2013. Houve oito planos de reestruturação rejeitados pela Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia. O processo arrastou-se, sem solução, durante três anos. O futuro do banco fundado por Horácio Roque decidiu-se em cinco dias alucinantes. O Banif vai ser espanhol e custar no mínimo €2,6 mil milhões aos contribuintes