Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos: coligação com CDS acabou

  • 333

José Carlos Carvalho

“Temos com o CDS uma boa relação”, garantiu Pedro Passos Coelho. Apesar de o acordo entre os partidos ter caído ao mesmo tempo que o Governo, o líder dos sociais-democratas sublinha que “no futuro” podem vir a “coordenar ações”

O presidente dos sociais-democratas, Pedro Passos Coelho, afirmou esta quarta-feira que PSD e CDS-PP vão articular posições, coordenar ações e poderão ter entendimentos importantes no futuro, mesmo sem uma coligação de oposição.

Em declarações aos jornalistas, à saída de um encontro de Natal do grupo parlamentar social-democrata, na Assembleia da República, o ex-primeiro-ministro frisou que o acordo de coligação entre PSD e CDS-PP caiu com a queda do anterior executivo: "Não é preciso nenhum ato formal para lhe pôr termo. É assim. Acabou quando o Governo acabou".

Contudo, acrescentou: "Temos com o CDS uma boa relação, e isso refletir-se-á, tenho a certeza, nos tempos mais próximos, porque teremos possibilidade de articular posições, de coordenar ações. Não precisamos de uma coligação de oposição para o fazer. Os partidos são diferentes, têm cada um deles o seu espaço natural, mas são afins, são próximos, tiveram entendimentos importantes para o país, e podem vir a ter entendimentos importantes para o país no futuro também".

Passos Coelho salientou também que PSD e CDS-PP "têm um passado de governo", que qualificou de "importante", e que os dois partidos "apresentaram em conjunto um programa eleitoral ao país, que foi até sufragado, foi o mais votado pelos portugueses" nas legislativas de 4 de outubro.

Referindo-se à elaboração desse programa eleitoral, o ex-primeiro-ministro disse que "nenhum dos partidos teve de fazer concessões extraordinárias", concluindo: "Significa que há hoje, portanto, ao fim de todos estes anos, uma proximidade de pontos de vista. O CDS é, no que respeita ao PSD, um interlocutor privilegiado".

Passos Coelho realçou que o acordo de coligação entre PSD e CDS-PP terminou com o derrube do XX Governo Constitucional no parlamento, e considerou que as pessoas que não deram por isso "com certeza estarão distraídas".

"O PSD e o CDS-PP tinham um acordo de coligação de Governo, e o Governo foi derrubado no parlamento. Portanto, o acordo de coligação de Governo já não existe, naturalmente, acabou com o Governo. Não é preciso nenhum ato formal para lhe pôr termo", declarou.