Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Luís Amado: “Não subscrevo a fórmula do fim da austeridade”

  • 333

Julien Warnand/EPA

Portugal “não pode embarcar em visões facilitadoras” e declarar o fim da austeridade porque a situação financeira ainda não o permite, alerta o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros

"Não subscrevo a fórmula do fim da austeridade" afirmou o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo do PS, Luís Amado, em entrevista publicada esta segunda-feira no Diário Económico. O ex-governante explicou que com a dívida que o país tem "não pode embarcar em visões facilitadoras", uma vez que se encontra num contexto exigente a nível financeiro.

Para Luís Amado não há um Governo de coligação à esquerda, mas "um Governo minoritário do PS, com base em vários acordos de incidência parlamentar que garantem (…) uma perspetiva de estabilidade governativa". Ainda nesta linha de pensamento, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros garantiu que o que impede a coligação "são as divergências profundas, do ponto de vista ideológico, entre as duas esquerdas".

Contudo, apesar de não acreditar que o acordo governativo garanta a estabilidade necessária, Luís Amado referiu que "o que tínhamos eram duas fórmulas de governo minoritário, ambas reféns do quadro parlamentar existente e do desequilíbrio do sistema política que criámos". E pensa que é com esta visão que o chefe do Governo tem de garantir "condições de estabilidade governativa e política ao longo dos próximos anos ou dos próximos meses".

Embora o ex-ministro não subscreva o fim da austeridade, afirmou que "apesar da crescente desaceleração, a economia europeia continua a crescer" e que "o PS tem um património indiscutível do ponto de vista dos compromissos europeus" e que por isso não crê que os socialistas deixem de respeitá-los.

Para Luís Amado a coligação tem várias diferenças que a podem tornar "impossível", no entanto "só o talento e a capacidade e manobra do chefe do Governo, podem garantir os compromissos necessários à estabilidade do Governo ao longo, pelo menos, de uma parte da legislatura".