Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Portugal terá orçamento “assim que possível”

  • 333

MÁRIO CRUZ/LUSA

“Já se perdeu muito tempo”, considera o executivo, que em nota distribuída este sábado acrescenta: “O país precisa de ser governado e não de quezílias institucionais

O Governo do PS considera que "já se perdeu muito tempo" e apresentará uma proposta de Orçamento do Estado para 2016 "assim que possível", refere uma nota divulgada este sábado pelo gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

"O Governo apresentará o Orçamento assim que possível. Já se perdeu muito tempo. O país precisa de ser governado e não de quezílias institucionais", lê-se na nota enviada pelo gabinete do primeiro-ministro à agência Lusa.

De acordo com o "Diário de Notícias", o Governo de António Costa "quer a aprovação final do Orçamento do Estado de 2016 em março - mas só depois de Cavaco Silva já não ser Presidente da República".

Este sábado, o candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa disse, em Paris, que não se pode esperar "meses e meses" para ter o orçamento para 2016 e espera que Portugal tenha orçamento antes da tomada de posse do novo presidente.

"Nós não podemos esperar meses e meses e meses para ter o orçamento para 2016. Espero que o Orçamento do Estado esteja aprovado e tenha entrado em vigor no momento da posse do novo Presidente que é no dia 9 de março. O país deve contar com um orçamento antes de março de 2016 e mesmo assim estamos a falar de três meses praticamente sem orçamento", declarou o candidato presidencial.

  • As 262 páginas que nos vão governar

    É dentro deste documento que está a linha orientadora da nova governação do país: o programa do Executivo liderado por António Costa - e composto por mais 17 ministros e 41 secretários de Estado - já é público. Contempla propostas do PAN, é discutido quarta e quinta no Parlamento, resulta do diálogo à esquerda e o PS garante que “rompe com as políticas de austeridade e de empobrecimento coletivo dos últimos anos”. Disponibilizamos o documento - composto para 262 páginas - para que se possa informar e tirar as suas próprias conclusões