Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Paris: Marcelo homenageia vítimas dos atentados de 13 de novembro

  • 333

Marcelo depõe ramo de flores junto ao local do atentado contra o bataclan, em Paris:“Contra o terror sim à vida”

Daniel Ribeiro

O candidato às presidenciais,Marcelo Rebelo de Sousa, está em Paris. E colocou um ramo de flores junto ao Bataclan, a sala de espetáculos onde foram assassinadas 89 pessoas nos atentados de 13 de novembro

“Vim aqui para dizer não ao terror e sim à vida, homenagear as vítimas, entre elas compatriotas nossos”, disse Marcelo Rebelo de Sousa depois de depor um ramo de flores junto à conhecida sala de espetáculos parisiense, Le Bataclan, duramente atingida por um atentado terrorista na passada sexta-feira, 13 de novembro.

O candidato às presidenciais portuguesas encontra-se em Paris para o lançamento de um livro que prefaciou sobre os emigrantes portugueses: “10 nomes, dez histórias”, lançado pelo grupo português “Lusopress”.

No decorrer da visita manterá diversos contactos com representantes da comunidade portuguesa de França. “O livro conta a história de sucesso de dez portugueses, mas não há só dez, há milhares de portugueses de sucesso no mundo inteiro”, explicou Marcelo.

“Grande parte de Portugal vive fora do território nacional e esse Portugal é tão importante como o outro; em Portugal não se tem muitas vezes a noção da importância desses portugueses espalhados pelo mundo”, acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa participará esta noite no jantar de aniversário dos dez anos do “Lusopress”, com cerca de três centenas de pessoas, durante o qual atuará também o músico português, Jorge Palma.

Estabilidade e Orçamento

Interrogado sobre o novo Governo e o Orçamento de Estado para 2016, o candidato defendeu que “foi virada uma página e agora é preciso estabilidade e aprovar o mais rapidamente possível o Orçamento. Não podemos ficar à espera durante meses pelo Orçamento, evidentemente que tem de ser aprovado antes da posse do novo presidente, em março, o país não pode ficar à espera e acho que não haverá medidas importantes a serem vetadas, conclui.