Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa: “Não é altura de salgar as feridas, mas sim de sará-las”

  • 333

José Carlos Carvalho

No discurso da sua tomada de posse como primeiro-ministro do XXI Governo constitucional, António Costa garantiu que se pautará pela moderação: “Não é de crispação que Portugal carece”, explicou. Até porque “não progrediremos com radicalizações”

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Texto

Jornalista da secção Política

José Carlos Carvalho

José Carlos Carvalho

Fotografia

Fotojornalista

Luís Barra

Luís Barra

Fotografia

Fotojornalista

Aos que temiam um Governo radical de esquerda, fruto do apoio maioritário conseguido no Parlamento com o entendimento com BE, PCP e PEV, António Costa quis deixar claro: o seu Governo será um Governo moderado. No programa e na atitude.

O novo primeiro-ministro optou por uma intervenção a apelar à serenidade, a lembrar que o tempo que vivemos ("de muitas incertezas e enormes desafios") "a todos exige um esforço adicional de diálogo e compromisso": "Este é o tempo da reunião. Não é de crispação que Portugal carece, mas sim de serenidade. Não é altura de salgar as feridas, mas sim de sará-las". Dirigindo-se nomeadamente ao seu antecessor, sentado na primeira fila, à sua frente, reiterou: "O bom conselheiro desta hora não é o despeito ou o desforço". Até porque, acrescentou, "não progrediremos com radicalizações".

E garantiu: "A conduta do XXI Governo pautar-se-á, pois, pela moderação". Será moderado no programa: se vai prosseguir uma política alternativa à austeridade, será uma alternativa "realista, cuidadosa e prudente". E será moderado na atitude.

“Um momento inteiramente normal”

Luís Barra

Para o Presidente da República, uma "bicadinha", subtil, mas ainda assim percetível: "Este Governo nasceu da recusa da ideia de que não haveria alternativa à política que vem sendo prosseguida e a sua posse por V.Exa. é a prova de que a democracia gera sempre alternativas".

Nesta linha de raciocínio, "arrumou" a questão da (muito) discutida legitimidade ou não de um Governo feito à margem dos vencedores das eleições de 4 de outubro: "Com a entrada em funções deste Governo termina um momento político, certamente complexo e delicado, mas inteiramente normal numa democracia parlamentar".

E agora, mãos à obra

José Carlos Carvalho

Assumindo não ignorar ou minimizar nem "as muitas dificuldades" que tem pela frente, nem "as restrições" que hão-de limitar e condicionar a ação do Governo, o primeiro-ministro assegurou estar "confiante". Tanto no projeto, como na "solidariedade da maioria parlamentar que lhe manifestou apoio".

Sobre a linha de atuação que irá prosseguir, garantiu o empenho em virar a página da austeridade - conforme repetiu ao longo de toda a campanha eleitoral: "A austeridade não gera crescimento, nem a desvalorização interna [gera] prosperidade", justificou. Para prometer "outras reformas", assentes "no conhecimento e na inovação, na modernização do tecido empresarial e da administração pública, na valorização do território e dos seus recursos, na promoção da saúde, no reforço da coesão e na redução das desigualdades".