Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

O secretário de Estado cigano de pai

  • 333

É um decano do poder local e é das autarquias que estará encarregado. Carlos Miguel será o primeiro cigano a chegar ao Executivo em Portugal. Com memórias de discriminação étnica

O pai era supersticioso, não podia ver um sapo, era um cigano das feiras. Vendia sapatos. A mãe, não. Era operária fabril e a relação de alguém de fora da etnia com a comunidade não foi fácil. Mas, Carlos Miguel, 58 anos, durante anos, foi conhecido como "o cigano presidente da Câmara de Torres Vedras". Nunca renegou as origens, nem o rótulo.

Na terra de origem, sempre foi conhecido como o filho do "Carlos cigano", que chamava a atenção por ter estudado. Deve-o à mãe, principal incentivadora. Licenciado em Direito, disse ao Expresso que nunca foi propriamente discriminado, mas reconheceu que o preconceito existe - desde os sete anos, quando um amigo assumiu que os pais não queriam aquela amizade. Nem os pais da primeira namorada...Mas, como aprendeu em casa, com o pai, nas alturas mais difíceis, "em lugar de vomitar, engolia".

"Nunca reneguei as minhas raízes, acho que estes comportamentos são por ignorância", explica. Agora, será o primeiro cigano a chegar ao Governo, como secretário de Estado das Autarquias. E já há oito anos, sobre as diferenças étnicas que chegam até a António Costa, vaticinava ao Expresso: "Nunca tive dúvidas de que António Costa fosse eleito em Lisboa e acho que, se um dia o quiser, poderá ser primeiro-ministro". E ele agora quis. E Carlos Miguel estará lá para o acompanhar.