Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

João Vasconcelos. Um secretário de Estado startup

  • 333

Aos 18 anos de idade assumiu o primeiro cargo de administração de uma empresa. Aos 40, chega a secretário de Estado da Indústria

Luís Barra

A Rua da Prata não voltou a ser a mesma desde que João Vasconcelos e restante equipa assentaram os arraiais do que é hoje a Startup Lisboa. Com o suporte político da Câmara Municipal de Lisboa e uma lista de apoios que integra alguns dos maiores bancos e empresas nacionais, o empreendedor leiriense montou o epicentro da nova economia da capital e provou que era possível contrariar o declínio da baixa pombalina.

Em três anos, passaram pela Startup Lisboa mais de 200 projetos de negócio que criaram mais de 700 postos de trabalho diretos. Os criadores da Uniplaces, da Hole19, da Codacy ou da Nata Lisboa, e de outras estrelas promissoras das startups portuguesas, também lá estiveram e, seguramente, se habituaram a lidar com a informalidade profissional que o empresário leiriense cultiva à maneira dos homens que andam na linha da frente.

Na Startup Lisboa João Vasconcelos pode dar a missão por cumprida, mas agora a questão é outra: será que vai conseguir ter o mesmo sucesso enquanto secretário de Estado da Indústria?

Se fosse apenas uma questão de escala, Vasconcelos não teria muito a temer. Só que o desafio tem agora uma vertente política – e ao contrário da Startup Lisboa não aponta só para o futuro. O novo Governo socialista não criou uma pasta para a Inovação e do Empreendedorismo (apesar de criar o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior), mas escolheu um dos rostos que mais conhecidos da economia digital e dos novos negócios para liderar as políticas da indústria. O objetivo é mais ou menos notório: criar uma ponte entre passado e futuro, e entre startups e novos negócios e as denominadas indústrias tradicionais.

Em vez de teorias, relatórios ou títulos académicos, João Vasconcelos cultiva a imagem de homem que faz as coisas acontecerem… e que conhece bem circuitos, códigos de conduta, interlocutores, e anseios dos homens de negócios. A aprendizagem fez-se desde tenra idade: filho e neto de empresários, deixa o curso de Relações Internacionais para segundo plano e assume o primeiro cargo de administração aos 18 anos na Mariparque, para gerir um parque aquático em Vieira de Leiria.

A esta proeza viria a juntar a participação noutras, como a criação da incubadora Open, para a área dos plásticos e moldes, no ano 2000. Foi provavelmente a primeira incubadora industrial do país – e continua a ser uma referência empresarial na Marinha Grande. Depois desse projeto, seguiram-se passagens pela Zook, pela Ecochoice e outras empresas de diferentes sectores, que confirmam que o novo secretário de Estado tem uma curiosa apetência para trabalhar em áreas sem uma relação direta com o curso académico que frequentou.

Pode parecer uma incongruência mas não será a única que João Vasconcelos terá de sanar nos próximos tempos: depois de anos como sócio e dirigente, aproxima-se a hora de deixar de participar na Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE). Não se trata de uma questão política, mas sim de estatutos: a associação limita a adesão de sócios a quem tem mais de 41 anos de idade. O secretário de Estado da Indústria tem 40.