Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Jerónimo diz que é um perigo ter Marcelo como Presidente

  • 333

Marcos Borga

Depois da indigitação de António Costa, secretário-geral do PCP já tem uma nova frente de combate

O secretário-geral do PCP congratulou-se esta quarta-feira com a indigitação do homólogo socialista, António Costa, para primeiro-ministro, “50 dias depois”. No entanto, Jerónimo alerta para o que considera ser o perigo de eleição do candidato presidencial da direita, Marcelo Rebelo de Sousa.

Em declarações no parlamento, o líder comunista falou das eleições presidenciais de 24 de janeiro, apelando a “trabalhadores e povo, democratas e patriotas, todos quantos querem assegurar o direito a um Portugal soberano” para continuarem “sua intervenção e luta”.

“Um objetivo inseparável também da contribuição a que serão chamados para assegurar que, nas eleições para Presidente da República, se impeça que seja continuado o percurso de comprometimento com a política de direita e de confronto com a Constituição da República que PSD e CDS já preparam, com o apoio do seu candidato”, concluiu Jerónimo de Sousa.

O apoio ao candidato presidencial e antigo presidente social-democrata Marcelo Rebelo de Sousa foi admitido para breve pelo ainda primeiro-ministro da coligação PSD/CDS-PP, Passos Coelho, em recente entrevista televisiva.

Jerónimo de Sousa voltou a acusar o Presidente da República, Cavaco Silva, de tentar “impedir e dificultar a concretização de uma solução governativa de acordo com a nova relação de forças políticas na Assembleia da República”. “Cinquenta dias depois, Cavaco Silva indigita António Costa como primeiro-ministro e põe termo à crise que ele próprio criou, em desrespeito da vontade da Assembleia da República e dos deveres constitucionais. Fá-lo, e é preciso sublinhá-lo, não escondendo, quer pelos pressupostos, quer pelos termos em que o faz, a sua manifesta contrariedade perante uma solução que, até ao último momento, tentou impedir.”