Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos e Portas celebram 25 de novembro juntos no Parlamento

  • 333

FOTO MARCOS BORGA

Líderes da coligação invocam fim do PREC na primeira aparição conjunta depois da indigitação de Costa. E talvez a última enquanto ainda são Governo

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

É a primeira aparição conjunta de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas desde a indigitação de António Costa para formar o novo Governo. E bem poderá ser o último evento a juntar os dois líderes da direita na qualidade de primeiro-ministro e vice-primeiro-ministro (ainda que de um executivo de gestão). E a razão não podia ser mais simbólica: a invocação dos 40 anos do 25 de novembro. Será esta quarta-feira, na Assembleia da República.

Num momento em que do lado da coligação ainda há quem se refira à situação política como "um novo PREC" - Paulo Portas usou várias vezes essa expressão -, a ironia é que os líderes da coligação de direita se juntem, na hora da despedida, para a comemoração do dia que pôs fim ao PREC (o Processo Revolucionário Em Curso, que se prolongou pelo "Verão Quente" de 1975 até às operações militares de 25 de novembro, que puseram fim à fase mais extremada à esquerda no pós-revolução).

O contexto promete, o timing também e o cenário não é menos simbólico: a Sala do Senado da Assembleia da República. Isto depois de PSD e CDS terem proposto - e o presidente da AR ter concordado - que houvesse uma invocação solene deste efeméride promovida pelo próprio Parlamento, juntando os vários grupos parlamentares. Essa iniciativa acabou por ser inviabilizada pelo desinteresse da esquerda, que faltou a uma reunião de trabalho marcada por Ferro Rodrigues. Assim, sem o palco principal do Parlamento, resta à coligação o palco secundário - não tem a sala do Plenário, mas tem a Sala do Senado.

Além da presença de Passos e Portas, a "sessão provocativa dos 40 anos do 25 de novembro" contará com as intervenções dos líderes parlamentares dos dois partidos e de dois oradores convidados: o general Tomé Pinto e o historiador Rui Ramos.