Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Estala o verniz no PDR e falta dinheiro ao Livre

  • 333

Marcos Borga

Contestação a Marinho e Pinto sobe de tom e leva a demissões. Livre ainda deve 60 mil euros a fornecedores

As declarações que Marinho e Pinto fez ao Expresso há uma semana sobre a eventualidade de um governo de esquerda e em que considerava ser “mais útil ao país que o PS permanecesse na oposição”, foram a gota de água que trouxe à tona algumas desconfianças e divergências submersas no Partido Democrático Republicano (PDR).

Esta semana, num comunicado conjunto, dois fundadores, o ex-diretor de campanha, o cabeça de lista e ex-nº 2 por Santarém, dois membros da Comissão Política, e ainda outros candidatos apresentaram a sua cessão de confiança por “fortes e insuperáveis dissidências de substância, ideologia, estilo, discordâncias de programa, desencontro evidente de objetivos e visíveis divergências de matiz político”.

Entre as mais de dez demissões que surgiram após as legislativas está a de Eduardo Milheiro, fundador e membro do Conselho Nacional, que numa carta dirigida a Marinho e Pinto acusa-o de ter uma atitude “autocrática, continuando o seu percurso de colagem à direita”.

Além das divergências ideológicas aquele ex-membro disse ao Expresso que há “falta de democracia interna” e que o partido “mais parece um grupo de amigos que se junta ao fim de semana para fazer umas reuniões e almoçar”.

Confrontado com as acusações e as demissões, Marinho e Pinto contra ataca afirmando que a maior parte dos que saíram “são pessoas que têm uma ambição maior do que o próprio casulo”, que não foram eleitas no congresso de maio e que “queriam agora elegerem-se e fazer uma caça às bruxas”. E conclui: “Andaram à minha volta a bajular-me, alguns até com elogios patéticos, mas como sou impermeável, foram embora. Parabéns. Boa viagem.”

Livre renova órgãos

Ao contrário do PDR que conseguiu ter votos suficientes para ter direito a uma subvenção anual, a candidatura Livre/Tempo de Avançar continua a depender dos seus apoiantes para fazer face às despesas de campanha. Rui Tavares, líder do Livre, admite que “ainda falta pagar cerca de 60 mil euros” dos 170 mil que foram gastos, mas recusa falar em dívida, uma vez que, garante, está tudo a ser pago “nos devidos prazos”.

Depois dos dois apelos nacionais, que “reuniram próximo de um milhar de donativos”, resta agora aos principais responsáveis da candidatura “arranjar nos seus contactos 100 pessoas que contribuam com 500 euros ou 50 que estejam dispostas a dar 1000 euros”, para saldar o montante em falta, avançou ao Expresso outra fonte da candidatura.

Apesar das dificuldades Rui Tavares diz que têm como objetivo serem “os primeiros a saldar as contas da campanha” e contam fazê-lo “até final do ano, no máximo até 31 de janeiro”, altura em que comemoram o primeiro aniversário da convenção que lançou a candidatura cidadã Livre/Tempo de Avançar. Entretanto, a 20 de dezembro, o Livre realiza um congresso, onde vai eleger os novos órgãos do partido e planear as atividades futuras, o acompanhamento e intervenção na política nacional.