Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos para Costa: se precisar de nós, demita-se

  • 333

RAFAEL MARCHANTE / EPA

“No dia em que o PS tiver de depender dos votos do PSD ou do CDS-PP para aprovar alguma matéria que seja importante, eu espero é que o doutor António Costa peça desculpa ao país e se demita”, disse Pedro Passos Coelho em entrevista à RTP

O presidente do PSD defendeu esta sexta-feira que o secretário-geral do PS tem de melhorar a solução de governação com os partidos à sua esquerda e, se formar Governo, deve demitir-se caso fique dependente dos votos dos sociais-democratas.

"O PS não tem nenhuma legitimidade para nos pedir seja o que for. No dia em que o PS tiver de depender dos votos do PSD ou do CDS-PP para aprovar alguma matéria que seja importante, eu espero é que o doutor António Costa peça desculpa ao país, diga que enganou o país na solução que corporizou ao derrubar o Governo anterior para poder oferecer um Governo minoritário e instável no parlamento, e se demita", afirmou Pedro Passos Coelho.

O presidente do PSD e primeiro-ministro em exercício assumiu esta posição numa entrevista à RTP, depois de ter defendido que o secretário-geral do PS "devia melhorar" a solução governativa a apresentar ao Presidente da República, apontando duas alternativas: ou "uma coligação de Governo" ou "um acordo digno desse nome", que assegure a aprovação dos orçamentos.

"Ele tem a obrigação de melhorar essa solução", reafirmou, atribuindo ao PS a obrigação de assegurar "uma alternativa maioritária, estável, coesa" que aprove todos os instrumentos da governação, incluindo os programas a apresentar em Bruxelas.

Nesta entrevista, o chefe do executivo PSD/CDS-PP voltou a considerar que "deixar um Governo que tem a maioria absoluta do parlamento contra si a governar ou a fazer de conta que governa não é uma boa solução".

Em matéria europeia, o presidente do PSD sustentou que BE e PCP se preparam para manter as suas posições, contando que "quando for necessário aprovar orçamentos que cumpram as regras em Bruxelas, ou matérias com as quais eles não concordam, o PS que encontre, talvez no PSD ou no CDS o apoio para isso".

Questionado se o PSD tenciona votar sempre contra as medidas de um Governo do PS, respondeu: "Não é isso que eu estou a dizer. O PSD decidirá de acordo com aquilo que entender que deve ser o interesse nacional".

Passos Coelho ressalvou que "o PSD vai comportar-se sempre com o mesmo sentido de responsabilidade e com a interpretação que faz daquilo que é o interesse nacional".

"O que estou a deixar claro é que não vale a pena pôr a questão de saber se é o PSD que vai suportar o Governo do PS, porque aquilo que se pretende é que o PS mostre a solução suficiente para governar que justificou que tivesse derrubado o Governo que ganhou as eleições", reforçou.