Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

“Assumi a liberdade, arcarei com a responsabilidade”: Paula Teixeira da Cruz depois de furar disciplina de voto na IVG

  • 333

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Esquerda retirou alterações à lei do aborto feitas pela direita. Paula Teixeira da Cruz esteve com a esquerda nesta votação

A deputada do PSD e ex-ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz afirmou esta sexta-feira à Lusa que assumiu a sua liberdade ao quebrar a disciplina de voto em relação à IVG e arcará com a responsabilidade.

Paula Teixeira da Cruz votou a favor dos projetos de lei apresentados por PS, BE, PCP e PEV para revogar as alterações à lei da interrupção voluntária da gravidez (IVG) aprovadas na anterior legislatura por PSD e CDS-PP, divergindo assim do sentido de voto contra estabelecido pela sua bancada.

"Assumi a minha liberdade, arcarei com a minha responsabilidade", declarou a ex-dirigente social-democrata à agência Lusa, depois de questionada sobre eventuais consequências do seu voto. Por sua vez, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, não quis falar do assunto.

Fonte parlamentar relatou à Lusa que houve conversações prévias entre os dois sobre este assunto. Paula Teixeira da Cruz também nada quis adiantar sobre procedimentos internos relacionados com o seu voto.

Os diplomas aprovados na generalidade, e que serão agora debatidos em comissão, se forem confirmadas em votação final global, revogarão as taxas moderadoras na prática da IVG, e normas como a obrigatoriedade de a mulher comparecer a consultas com um psicólogo e um técnico de serviço social.

Estas normas foram introduzidas na lei da IVG pela então maioria PSD/CDS-PP, no último plenário da anterior legislatura, na sequência de uma iniciativa de cidadãos promovida por opositores da lei do aborto.

  • Esquerda retira alterações à lei do aborto feitas pela direita

    Atual maioria parlamentar aprovou esta tarde a retirada das taxas moderadoras da interrupção voluntária da gravidez e da obrigatoriedade de consultas de aconselhamento psicológico e social às mulheres que recorrem à intervenção, bem como o fim da possibilidade de médicos objetores de consciência poderem estar nas consultas