Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

JSD deixa cair referendo à adoção por casais gay - e até apoia propostas da esquerda

  • 333

Presidente da JSD diz que quase todos os deputados da “jota” estão a favor da adoção por casais do mesmo sexo. E diz que “nem pensar” em recuperar a proposta de referendo feita em 2014 pelo então líder da JSD

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

As propostas para alargar a possibilidade de adoção de crianças a casais do mesmo sexo - apresentadas por PS, BE, PEV e PAN - são discutidos e votadas esta sexta-feira e vão passar com os votos não só da esquerda, mas também de deputados da coligação. Incluindo da JSD, cujo anterior líder, Hugo Soares, teve um papel determinante para impedir que essas propostas fossem por diante em janeiro de 2014.

Na altura, depois da proposta do PS ter sido viabilizada apesar da coligação ter maioria no Parlamento, o então líder da JSD tirou da cartola uma proposta de referendo a essa legislação, que surpreendeu toda a esquerda e revoltou até diversos deputados do PSD e do CDS. Embora o referendo fosse depois chumbado pelo Tribunal Constitucional, a sua aprovação - que implicou a imposição de disciplina de voto no PSD - foi determinante para inviabilizar a alteração da lei.

Agora que a esquerda tem maioria no Parlamento e voltou a apresentar a mesma iniciativa, a JSD não podia estar mais longe das posições protagonizadas há quase dois anos pelo seu anterior líder.

Seis dos sete da JSD são a favor

Simão Ribeiro, o atual presidente da Juventude Social Democrata, diz ao Expresso que não haverá qualquer tentativa de ressuscitar a ideia de referendo à adoção por casais do mesmo sexo. "Nem pensar", garante o deputado social-democrata. Até porque, explica, não só ele como vários outros deputados da JSD são favoráveis a que o direito de adoção seja alargado a casais do mesmo sexo.

Pelas contas de Simão Ribeiro, dos sete deputados do PSD que foram indicados pela "jota", "pelo menos seis" estão a favor das alterações à lei propostas pela esquerda. O presidente da JSD assume que é favorável a esta alteração, admitindo que, na votação na generalidade, poderá votar a favor de todas as propostas, para depois, em comissão, "analisar com mais cuidado" cada uma das diversas propostas.

Logo em 2014 a proposta de referendo de que Hugo Soares foi o primeiro subscritor e grande protagonista causou bastante mal-estar entre os deputados da JSD. Já então, vários - como Simão Ribeiro ou Joana Barata Lopes - eram favoráveis à alteração da lei. E a ideia de referendar direitos era vista como um absurdo - só a disciplina de voto obrigou alguns deputados do PSD a votar favoravelmente. Mas não sem consequências: por exemplo, Francisca Almeida, que era vice-presidente da bancada, demitiu-se dessa função em protesto contra o que considerou um "grave precedente". O mal-estar alargou-se até ao CDS, que deixou o parceiro de coligação sozinho, tendo-se abstido. E a centrista Teresa Caeiro chegou a classificar o referendo como "uma iniciativa lamentável".

A proposta de referendo, soube-se depois, foi concertada entre Hugo Soares e a direção do PSD, com vista a pacificar os sectores mais conservadores do partido e do eleitorado, descontentes pelo facto de uma maioria de centro-direta ter deixado passar uma iniciativa tão querida à esquerda.

Na votação de sexta-feira, tanto PSD como CDS terão liberdade de voto.