Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Isabel Moreira escreve carta aberta a Cavaco

  • 333

José Carlos Carvalho

Deputada socialista reagiu às declarações do chefe de Estado no Facebook, defendendo que a atual situação política não é comparável com a de 1987

A deputada do PS Isabel Moreira afirma, numa carta aberta a Cavaco Silva na sua página no Facebook, que o Presidente da República não tem outra solução a não ser dar posse a um governo socialista. E sublinha que a atual situação política não tem comparação com a de 1987, acusando Cavaco Silva de "esquecimento".

"É que o seu governo foi alvo de uma moção de censura por parte do PRD sem alternativa de governo maioritário parlamentar, pelo que Mário Soares dissolveu a Assembleia da República e tivemos eleições antecipadas. Recordado?", questiona Isabel Moreira.

A deputada recorda que o Presidente da República não pode dissolver agora o Parlamento, defendendo que não é possível não indigitar António Costa como primeiro-ministro. "Agradecia assim que não confundisse o inconfundível e já agora que não criasse normas constitucionais que alegadamente lhe permitem condicionar o novo governo", acrescenta Isabel Moreira, referindo-se ao apelo de Passos Coelho com vista à convocação de eleições antecipadas.

Afirma ainda que espera que o chefe de Estado "cumpra a única solução constitucional admissível nas atuais circunstâncias", sustentando que é de "elementar grandeza cumprir a lei mesmo que desse cumprimento resulte o que pessoalmente não nos agrade."

Cavaco Silva lembrou esta segunda-feira que esteve durante cinco meses em gestão, em 1987, desvalorizando a urgência do quadro político. "Eu como primeiro-ministro de um Governo estive cinco meses em gestão", declarou aos jornalistas na Ribeira Brava, na Madeira.

O governante apontou ainda para o caso do governo socialista de José Sócrates, em 2011, e garantiu que irá continuar os encontros com os parceiros sociais com vista à formação de um Executivo.

"O que tenho feito e vou continuar a fazer é, cada passo que dou para resolver a crise, eu informo os portugueses", concluiu.