Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Maria Luís Albuquerque. Era “absolutamente imperioso e inadiável” vender a TAP

  • 333

NUNO VEIGA / LUSA

A ministra das Finanças admitiu que a TAP “representa muito para o país”, adiantando que “era fundamental para o Governo proteger essa empresa e os milhares de postos de trabalho que tem”

A ministra das Finanças afirmou esta quinta-feira que o processo de venda da TAP era "absolutamente imperioso e inadiável", porque a empresa estava numa situação de tesouraria "absolutamente desesperada".

"Tratou-se de uma situação absolutamente inadiável. Faz parte das responsabilidades de quem governa, em qualquer circunstância não deixar que aconteçam danos gravosos ao país", disse Maria Luís Albuquerque à margem de um encontro com militantes e simpatizantes do PSD em Castelo Branco.

A responsável pela tutela das Finanças mostrou-se convicta de que a decisão de avançar com a assinatura do acordo de venda da companhia aérea portuguesa se enquadra nos poderes de um Governo de gestão, recordando que, pelo facto de estar em gestão, não deixa de ser um Governo legítimo que o país tem.

Segundo a ministra, "a TAP estava numa situação de tesouraria e financeira absolutamente desesperada, sem fundos".

Maria Luís Albuquerque admitiu que a TAP "representa muito para o país", adiantando que "era fundamental para o Governo proteger essa empresa e os milhares de postos de trabalho que tem".

Antes da sessão de assinatura do acordo de venda ao consórcio Gateway, Fernando Pinto admitiu que os 150 milhões de euros que serão injetados de imediato são suficientes para colmatar necessidades da empresa.

O administrador da TAP sublinhou também que é "extremamente importante" que o processo continue da forma que está prevista.
A transação de 61% da TAP para a Gateway deverá ser feita ainda hoje, mas o consórcio ainda tem que provar ao regulador que o empresário Humberto Pedrosa lidera o consórcio e obter luz verde do Tribunal de Contas.

A 13 de outubro, a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) deu parecer positivo à venda da TAP ao consórcio Gateway, mas pediu esclarecimentos sobre a estrutura acionista do consórcio comprador, para verificar se ela é controlada pelo português Humberto Pedrosa, como as regras europeias impõem.

No processo de alteração aos estatutos do consórcio para responder aos apelos do regulador, o presidente executivo da TAP, Fernando Pinto, foi nomeado a 6 de novembro para a direção do consórcio, cargo a que renunciou três dias depois.

O Governo aprovou hoje em Conselho de Ministros a minuta final do processo de venda de 61% da TAP ao consórcio Gateway, alegando que a celebração desse contrato é uma necessidade urgente e inadiável, enquadrando-se portanto nas competências de um executivo em gestão.

  • Contrato assinado: TAP foi vendida

    Está assinado o contrato. O Governo fechou esta quinta-feira a privatização da companhia aérea portuguesa. O acordo de venda final, que fará passar já 150 milhões de euros para a tesouraria da TAP, já foi assinado

  • TAP sem dinheiro para pagar salários já este mês

    A TAP não tem tesouraria para pagar salários já este mês de novembro, estando em risco o pagamento de contratos de combustível. Com privatização, entram 150 milhões imediatamente na empresa. Sem privatização, terão de entrar na mesma. Nem que seja o Tesouro a emprestar, mesmo que isso levante problemas com Bruxelas

  • Logo após a confirmação da assinatura do contrato de venda de 61% do capital da TAP ao consórcio Gateway, a dirigente socialista, Ana Paula Vitorino, acusou o Governo de “falta de sentido de Estado e desrespeito pela Assembleia da República”