Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Debate do Programa de Governo: Pedro Nuno Santos questiona Passos

  • 333

Luís Barra

Os “acordos de governabilidade” podem ser assinados pelos quatro partidos já esta terça-feira. Moção que derrubará o Governo será a do PS. Discussão do programa do Governo PSD/CDS começa esta tarde. O primeiro socialista destacado para questionar Passos Coelho é Pedro Nuno Santos

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

Pedro Nuno Santos vai ser o primeiro a falar pelo PS, no período imediatamente a seguir à intervenção inicial de Pedro Passos Coelho, esta tarde, na apresentação do Programa do Governo. O vice-presidente da bancada parlamentar socialista e o chefe da equipa que negociou com BE, PCP e PEV os termos do acordo de governação abre a primeira ronda de perguntas ao primeiro-ministro. Seguem-se pedidos de esclarecimentos, pelos socialistas, de Paulo Trigo Pereira, João Galamba, Ana Paula Vitorino e Ana Catarina Mendes.

Uma vez encerrada a ronda de pedidos de esclarecimento (que deverá durar cerca de hora e meia) abre-se o debate sobre o Programa do Governo. Aí a intervenção principal cabe ao líder do grupo parlamentar, Carlos César. António Costa fechará o debate, amanhã ao final da tarde.

Oficialização dos acordos só a partir de quarta-feira

Os acordos do PS com o PCP, o Bloco de Esquerda e os Verdes só deverão ser assinados depois da rejeição do Governo, marcada para esta terça-feira.

Segundo João Galamba, secretário nacional do PS para a comunicação, a data e a hora para a assinatura não estão ainda decididas, mas poderá ocorrer no mesmo dia da votação. O anúncio será feito em breve.

A moção de censura que, conforme o previsto, irá derrubar o Governo será todavia a do PS, a primeira que deverá entrar na Assembleia. Os quatro partidos decidiram manter cada um a sua, como uma "manifestação simbólica da identidade de cada partido", segundo disse.

"O problema não foi a elaboração dos termos da moção, mas sim o facto de cada partido querer preservar a sua identidade", afirmou.