Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa: “Não estou disponível para formar um Governo que não tenha condições reais e credíveis de durar a legislatura”

  • 333

José Caria

Na intervenção com que abriu, esta tarde, a reunião da Comissão Nacional do PS (órgão máximo entre congressos), que deverá aprovar o entendimento com BE, PCP e PEV, Costa reiterou que “o programa de Governo não basta”

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

José Caria

José Caria

Fotojornalista

"Somos sérios e estamos a falar com gente séria que não vende a sua identidade por qualquer acordo de Governo", afirmou o secretário-geral do PS, na intervenção com que abriu a reunião da Comissão Nacional que deverá aprovar o programa de Governo negociado com BE, PCP e PEV. E assim se ficou a saber que não são os lugares no Executivo que estão a emperrar ainda o acordo político com o PCP - o único que falta fechar para o PS avançar para a moção de rejeição ao Programa do Governo PSD/CDS.

"O que nos divide não é suscetível de ser mercantilizado em lugares de Governo. Não é algo que seja negociável para tornar revogável o que era irrevogável para obter o cargo de vice-primeiro-ministro e uns anos depois até oferecer o cargo de primeiro-ministro em troca de se manter nisto. Não, não" - ironizou António Costa, sob forte aplauso da assistência.

Acordo político em documentos distinto

O líder socialista confessou, como já tinha feito ontem na SIC, que não tem sido fácil a negociação. "Um enorme desafio" que corresponderá, na sua definição, a "uma mudança de paradigma", a uma mudança "do sistema partidário como ele tem existido nestes 40 anos". "O que estamos a negociar não é a eliminação das diferenças mas aquilo que podemos fazer em conjunto. Essa é a única questão que está aqui em causa".

Costa disse ter encontrado nos outros três partidos "um espírito construtivo, leal, sério, empenhado nas soluções". Tanto que das negociações já resultou um programa de Governo (entretanto distribuído por todos os presentes) assente no programa eleitoral do PS mas que incorpora alterações, novas propostas e novas formulações - resultantes dessas negociações. "Cabe à Comissão Nacional decidir se o aprovamos ou não", sublinhou.

Os acordos com BE, PCP e PEV não será expresso num documento comum, revelou ainda. Mas se por um lado desvalorizou esse facto - "o que é a base e o guia e que dá consistência à ação governativa não são os acordos mas o programa de Governo -, por outro fez dele condição indispensável para poder chegar a São Bento: "Todos temos consciência que não basta o Programa de Governo. Eu não estou disponível, o PS não está disponível, para formar um Goveno que não tenha condições reais e credíveis de durar a legislatura". E essas condições, adiantou, estão ainda em negociações, disse, expressando confiança em que estejam concluídas a tempo da Comissão Política de amanhã à noite - que irá decidir se o grupo parlamentar apresenta ou não uma moção de rejeição ao programa do Governo PSD/CDS (que será discutido 2a e 3a feira na Assembleia da República).

"Um Governo pós-eleitoral é tão legítimo como um pré-eleitoral"

Perante uma assistência muito entusiasmada, que repetidas vezes aplaudiu as palavras do secretário-geral, Costa demorou-se a explicar (falando para os críticos que nunca nomeou, e em particular para Francisco Assis - que não faz parte da Comissão Nacional e por isso não estava presente) por que é que entende que esta solução é tão legítima como qualquer outra. " A opção que nos está colocada é se viabilizamos um Governo de direita ou se nos empenhamos em criar uma alternativa ao Governo de direita. (Depois destes quatro anos) a última coisa que o PS podia fazer era não se esforçar para criar uma alternativa".

O líder socialista reforçou que "a direita não está em minoria na AR por qualquer golpe de Estado mas porque tem menos deputados que as restantes bancadas. E tem menos deputados porque teve menos votos". Para adiantar que "um Governo pós-eleitoral é tão legítimo como um pré-eleitoral". A não ser, continuou, "que se entenda que há uns acordos pós-eleitorais que são legítimos e outros que não são". Para deixar a interrogação: "Onde é que está escrito que só são legítimos os que envolvem PS, PSD e CDS?".

Costa lembrou que desde que se apresentou às primárias do ano passado sempre recusou o conceito de arco de governação. E disse discordar dos que continuam a ver na política nacional uma clivagem que já não existe: "Que sentido faz, 40 anos depois do 25 de abril, 25 anos depois da queda do Muro de Berlim, considerar que o combate que o PS travou contra o PCP no PREC continua a ser a clivagem fundamental? Não é. Pelo contrário. É tempo de pôr termo a esse resquício do PREC, ao que resta do Muro de Berlim", concluiu.