Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa força Assis a cancelar almoço de sábado

  • 333

Tiago Miranda

Francisco Assis cancelou o almoço de sábado na Mealhada, com os militantes críticos do entendimento à esquerda, depois de António Costa ter convocado a Comissão Nacional do PS para hora que colidia com o encontro

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

António Costa convocou a Comissão Nacional do PS - o principal orgão partidário entre congressos - para o próximo sábado, às 15h30. A convocatória, feita esta manhã, teve um efeito imediato: obrigou Francisco Assis a cancelar o almoço com os militantes descontentes do acordo à esquerda, que se deveria realizar à mesma hora, na Mealhada - isto porque vários destes têm assento na Comissão Nacional. Ainda não há data para novo almoço.

No domingo à noite reúne-se a Comissão Política - o orgão executivo que deu (e renovou) mandato ao líder socialista para negociar com as forças partidárias à sua esquerda e que deverá agora caucionar o resultado, seja ele qual for, dessas negociações.

As reuniões ocorrem na véspera do Parlamento discutir o Programa do Governo PSD/CDS e de pelo menos PCP e BE apresentarem uma moção de rejeição. O PS, na última reunião da Comissão Política, provou a possibilidade de também apresentar uma moção de rejeição. A concretização desta hipótese está dependente das negociações com comunistas e bloquistas chegarem (ou não) a bom termo. Ainda ontem Carlos César, presidente do PS e líder parlamentar, lembrava que sem acordo não haveria moção de rejeição.

A haver acordo, resta saber se os três partidos se concertam na apresentação de um texto comum de rejeição do Programa do Governo ou se continuam a apresentar cada um a sua. Nesse caso só a primeira moção é que será votada - quem fará questão de ser o primeiro?

  • Assis. “Não vou apelar a que desrespeitem a disciplina de voto”

    “Um Governo do PS apoiado por um partido tão conservador como é o PCP e por um partido tão contraditório como é o Bloco de Esquerda inibe-nos de ter a capacidade de promover as reformas de que o país precisa”, defende o antigo deputado socialista, que este sábado se reúne com apoiantes na Mealhada