Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Bloco já tem acordo com o PS. E as “pensões vão ser todas descongeladas”

  • 333

Nuno Botelho

A líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse ao DN “que haverá acordo à esquerda para apresentar no dia em que for votada a moção de rejeição do programa do governo PSD-CDS”

Catarina Martins, porta-voz do terceiro partido mais votado nas legislativas de 4 de outubro, não tem o hábito de “levar caneta” para as entrevistas. É com esta resposta que a mulher que liderou a última campanha eleitoral do Bloco de Esquerda inicia a entrevista que o Diário de Notícias publica este domingo.

De substancial e importante para o futuro político do país no curto prazo, Catarina garante que “o primeiro compromisso é que o governo PSD-CDS vai ser rejeitado no parlamento. Posto isto há a responsabilidade de existir uma alternativa, e estamos todos a trabalhar para que isso aconteça”.

Pensões vão ser aumentadas

Em termos mais práticos, no que diz diretamente respeito ao poder de compra dos portugueses, Catarina diz que as “balizas do Bloco de Esquerda é que todos os rendimentos têm de ficar descongelados, os das pensões e do trabalho, que haja recuperação de rendimentos”.

Diz que o seu partido defende um “compromisso político” que “permite aos pensionistas recuperar as suas pensões ao longo da legislatura. Se tivessem um governo de direita iam perder com cortes, se fosse governo do PS ficariam congeladas, e o que posso dizer agora é que há acordo para que as pensões” sejam todas descongeladas e as mais baixas terão mesmo um aumento real”.

PR e Passos provocaram impasse

A porta-voz do Bloco diz ao Diário de Notícias que “este compasso de espera, e todo o impasse no País, não foi provocado” pelo Bloco, mas pelo Presidente da República e por Passos Coelho. Somos obrigados a debater o programa da direita, antes de apresentar o da esquerda”.

Lembra que os “processos de convergência são complexos”, e acrescenta que os partidos envolvidos na construção de uma alternativa ao Governo da Coligação, estão ”a trabalhar para aquela que consideramos a melhor alternativa. E ela vai surgir”.

“Já foram dados passos sólidos para que Portugal saiba que o dia em que os partidos vão rejeitar o governo PSD/CDS é também o dia que ficará marcado pela possibilidade de um acordo para um outro governo”.