Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Esquerda inviabiliza marcação de plenário antes do programa de Governo

  • 333

Ferro Rodrigues invocou a falta de precedente para que houvesse uma discussão em plenário marcada para uma data anterior à discussão do programa de Governo

José Carlos Carvalho

PSD e CDS acusam os partidos à esquerda de formarem uma “aliança negativa” que está a bloquear o início das sessões regulares do Parlamento. PS, BE, PCP e PEV contrapõem que a discussão do programa de Governo é prioritária

A maioria composta por PS, BE, PCP e PEV inviabilizou esta quarta-feira a marcação de um plenário na próxima semana, para discutir um projeto de PSD e CDS de "reafirmação dos principais compromissos de Portugal em matéria europeia".

PSD e CDS acusaram esta "aliança negativa" de estar a bloquear o início das sessões regulares do Parlamento, e PS, BE, PCP e PEV contrapuseram que, de acordo com a prática e o regimento, é a discussão do programa de Governo que é prioritária, e que foi marcada esta quarta-feira para os dias 9 e 10 de novembro.

O presidente da Assembleia da República, o socialista Eduardo Ferro Rodrigues, registou a posição maioritária e a ausência de consenso e que, portanto, não havia condições para marcar esse debate pretendido pelos partidos apoiantes do novo Governo. Ferro invocou a falta de precedente para que houvesse uma discussão em plenário marcada para uma data anterior à discussão do programa de Governo, relatou aos jornalistas o porta-voz da conferência de líderes, o deputado social-democrata Duarte Pacheco.

De acordo com o porta-voz, como na semana passada o BE tinha referido a hipótese de poder solicitar a marcação de uma discussão a ocorrer previamente à discussão do programa de Governo, foi feito "o trabalho de casa", verificado o histórico e constatado que só na III Legislatura da democracia houve uma discussão plenária prévia à do programa de Governo.

  • Programa de Governo discutido dias 9 e 10

    O programa do segundo Governo liderado por Passos Coelho será discutido na Assembleia da República nos dias 9 e 10 de novembro, foi decidido esta quarta-feira em conferência de líderes parlamentares