Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Maria de Belém satisfeita com regresso do Ministério da Cultura

  • 333

Marcos Borga

“Eu acho que a elevação da cultura à categoria de ministério sublinha a importância que a estruturação de um povo na sua matriz cultural e na abertura ao mundo e ao cosmopolitismo têm”, afirmou a candidata presidencial

Maria de Belém destacou esta terça-feira que um Ministério da Cultura "é sempre algo desejável" e defendeu que "a cultura não pode ser uma coisa que fica sempre para trás".

"Eu acho que a elevação da cultura à categoria de ministério sublinha a importância que a estruturação de um povo na sua matriz cultural e na abertura ao mundo e ao cosmopolitismo têm", assinalou Maria de Belém à margem da visita ao Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC).

Questionada sobre a criação do ministério da Cultura, Igualdade e Cidadania, que será tutelado por Teresa Morais, respondeu que "um Ministério da Cultura é sempre algo de desejável" e salientou que "a cultura não pode ser uma coisa que fica sempre para trás".

"Nós sempre consideramos que a cultura é um dos deficits grandes que existe em Portugal", realçou.

Sobre os nomes anunciados para o Governo liderado por Pedro Passos Coelho, a candidata presidencial admitiu ainda não ter visto com detalhe "o elenco" e acrescentou: "não me vou pronunciar sobre a composição de um governo que não conheço".

"Tive a notícia que já terá sido indicado um Governo que o senhor Presidente da República terá aceitado mas ainda nem tive tempo de me debruçar sobre o elenco, de ver o número de pastas que hoje em dia existem e foram propostas", disse.

Maria de Belém referiu ainda que competirá agora ao parlamento apreciar o Governo e o programa de Governo.

"Transfere-se agora a apreciação do governo e do programa do governo para o parlamento e aí é o parlamento que tem a última palavra", realçou.

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, deu esta terça-feira o seu acordo à proposta de constituição do XX Governo Constitucional apresentada pelo primeiro-ministro indigitado, Pedro Passos Coelho, estando a tomada de posse marcada para sexta-feira às 12h.

No novo executivo, composto por 16 ministros, há oito repetentes e oito novos ministros, sendo as 'caras novas' João Calvão da Silva, para a Administração Interna, Fernando Negrão, para a Justiça, Miguel Morais Leitão, para a Economia, Fernando Leal da Costa, para a Saúde, Margarida Mano, para a Educação e Ciência, Rui Melo Medeiros, para a Modernização Administrativa, Teresa Morais, para a Cultura, Igualdade e Cidadania, e Carlos Costa Neves, para os Assuntos Parlamentares.