Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Guterres regressa a Lisboa

  • 333

DENIS BALIBOUSE / Reuters

O Alto Comissário para os Refugiados termina o mandato a 31 de dezembro e volta para a capital portuguesa

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

António Guterres vai regressar a Lisboa, a partir de janeiro, depois de cumprir o seu mandato como Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados. Ban Ki-moon rejeitou este mês o pedido de vários países para que o mandato de Guterres fosse prolongado por mais um ano devido ao agravamento da crise dos refugiados.

Ao que se sabe, foi o próprio Guterres que afastou essa possibilidade, que iria, aliás, colidir com a nomeação de um próximo Alto Comissário, cujo prazo para apresentarem candidaturas terminou a 15 de setembro. Já existem quatro candidatos, desde a ex-primeira-ministra dinamarquesa Helle Thorning-Schmidt, o diplomata italiano Filippo Grandi, ex-comissário-geral para a UNRWA (Agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos), Sania Nishtar, ex-ministra paquistanesa da Educação e a britânica Jasmine Whibread, presidente da ONG Save the Children.

Em Portugal, Guterres deverá reassumir o seu lugar na Gulbenkian como administrador não-executivo, um lugar cativo que lhe pode permitir vir a assumir o cargo de presidente da Fundação, se entretanto se gorarem os seus esforços de poder ascender ao cargo de secretário-geral da ONU. A escolha do sucessor de Ban Ki-moon, que termina o mandato no fim de 2016, está muito longe de estar definida.

Guterres nunca chegou a falar abertamente do seu interesse em se candidatar ao cargo, tendo apenas dito que “a seu tempo se verá”. Em princípio, o posto deverá caber agora à Europa de Leste, havendo igualmente pressão para que seja uma mulher. Aparentemente, a candidata búlgara Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO, tem força mas, salientava uma fonte, a questão é sempre a de “não provocar anticorpos” no Conselho de Segurança. O novo processo de escolha permite audições públicas do candidato, situação em que Guterres fica sensivelmente favorecido, destacava a mesma fonte.