Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD. “Se a coligação não pode oferecer uma maior estabilidade deve-se ao PS”

  • 333

Alberto Frias

Marco António Costa sublinha que “a decisão do Presidente da República constitui o respeito pela expressão democrática”

Marco António Costa, vice-presidente do PSD, pediu aos partidos com assento parlamentar para serem “responsáveis” e “respeitarem a decisão” dos portugueses”. Em reação à decisão de Cavaco Silva empossar Passos Coelho, o social-democrata sustentou que o chefe de Estado optou pela solução óbvia.

“A decisão do Presidente da República constitui o respeito pela expressão das eleições democráticas”, disse Marco António Costa aos jornalistas. “Abre-se um novo ciclo. De um novo governo, de responsabilidade das forças politicas saberem respeitar as decisões. É o tempo da responsabilidade do parlamento. É indispensável contar com sentido de responsabilidade dos partidos”, acrescentou.

Marco António Costa sublinhou ainda que “se a coligação não pode oferecer uma maior estabilidade deve-se ao PS”. “O Partido Socialista não quis de forma manifesta que se criasse uma solução que trouxesse estabilidade. Se até agora não foi possível encontrar a estabilidade, esperamos que seja possível encontrá-la no Parlamento.

  • Cavaco indigita Passos e fecha a porta no futuro a um governo de esquerda

    Segundo o Presidente, a indigitação de Passos Coelho corresponde à regra de quem ganha as eleições deve formar Governo. Outra alternativa teria piores consequências, diz Cavaco Silva, que apelou diretamente aos deputados - nomeadamente os do PS - para decidirem “em consciência e tendo em conta os superiores interesses nacionais”. O chefe de Estado considerou “inconsistente” a proposta que a esquerda lhe apresentou

  • Na íntegra: a comunicação de Cavaco Silva ao país

    Presidente da República indigitou Passos Coelho e argumentou que lhe foi apresentada “uma alternativa claramente inconsistente sugerida por outras forças políticas”, numa referência à proposta dos partidos de esquerda - António Costa disse que queria ser indigitado primeiro-ministro já, Bloco e PCP manifestaram apoio ao PS e explicaram que “seria uma perda de tempo” indigitar Passos. Leia na íntegra os argumentos de Cavaco Silva

  • João Soares: “Lamento a intervenção do senhor Presidente”

    Coube ao deputado socialista a reação às palavras de Cavaco Silva, que indigitou Passos. João Soares classificou como “particularmente estranho e lamentável que o Presidente da República tenha indigitado alguém que não tem condições para apresentar uma solução estável e duradoura”