Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PCP. Decisão do Presidente da República “é inaceitável”

  • 333

Tiago Miranda

O deputado comunista João Oliveira acusou Cavaco Silva de parcialidade e de tomar uma decisão que “traduz uma postura de confronto e desrespeito pela Constituição portuguesa”

João Oliveira, deputado do Partido Comunista, disse esta quinta-feira à noite que a decisão de Cavaco Silva indigitar Pedro Passos Coelho como primeiro-ministro “revela um profundo desprezo pela decisão dos portugueses” e uma “postura de confronto e desrespeito pela constituição portuguesa”.

O PCP considera que o Presidente da República não agiu com “imparcialidade” e que é “inteiramente responsável pela instabilidade” dos próximos tempo no país.

“Reafirmamos que apresentaremos uma moção de rejeição para que possa ser travada a ação destrutiva deste Governo”, confirmou João Oliveira aos jornalistas.

  • Cavaco indigita Passos e fecha a porta no futuro a um governo de esquerda

    Segundo o Presidente, a indigitação de Passos Coelho corresponde à regra de quem ganha as eleições deve formar Governo. Outra alternativa teria piores consequências, diz Cavaco Silva, que apelou diretamente aos deputados - nomeadamente os do PS - para decidirem “em consciência e tendo em conta os superiores interesses nacionais”. O chefe de Estado considerou “inconsistente” a proposta que a esquerda lhe apresentou

  • Na íntegra: a comunicação de Cavaco Silva ao país

    Presidente da República indigitou Passos Coelho e argumentou que lhe foi apresentada “uma alternativa claramente inconsistente sugerida por outras forças políticas”, numa referência à proposta dos partidos de esquerda - António Costa disse que queria ser indigitado primeiro-ministro já, Bloco e PCP manifestaram apoio ao PS e explicaram que “seria uma perda de tempo” indigitar Passos. Leia na íntegra os argumentos de Cavaco Silva

  • João Soares: “Lamento a intervenção do senhor Presidente”

    Coube ao deputado socialista a reação às palavras de Cavaco Silva, que indigitou Passos. João Soares classificou como “particularmente estranho e lamentável que o Presidente da República tenha indigitado alguém que não tem condições para apresentar uma solução estável e duradoura”