Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

CDS. “Seria estranho e dividiria o país” se o Presidente tivesse tomado outra decisão

  • 333

Alberto Frias

O eurodeputado Nuno Melo do CDS-PP reviu e repetiu o discurso de Cavaco Silva. Disse pouco, mas lembrou que à semelhança dos seus antecessores nos últimos 40 anos, o atual Presidente empossou o líder do partido mais votado

O CDS-PP está satisfeito com a decisão de Cavaco Silva indigitar Pedro Passos Coelho para formar Governo e diz que qualquer outro modelo “seria estranho e dividiria muito o país”.

Foi desta forma que eurodeputado Nuno Melo reagiu ao anúncio de Cavaco Silva, considerando que o Presidente se limitou a fazer “aquilo que todos os Presidentes fizeram nos últimos 40 anos”.

Nuno Melo também fez questão de repetir parte do discurso de Cavaco para recordar ao Partido Socialista que o CDS não pusera em causa que José Sócrates formasse Governo em 2009, depois de ter ganho as legislativas desse ano com maioria relativa.

  • Cavaco indigita Passos e fecha a porta no futuro a um governo de esquerda

    Segundo o Presidente, a indigitação de Passos Coelho corresponde à regra de quem ganha as eleições deve formar Governo. Outra alternativa teria piores consequências, diz Cavaco Silva, que apelou diretamente aos deputados - nomeadamente os do PS - para decidirem “em consciência e tendo em conta os superiores interesses nacionais”. O chefe de Estado considerou “inconsistente” a proposta que a esquerda lhe apresentou

  • Na íntegra: a comunicação de Cavaco Silva ao país

    Presidente da República indigitou Passos Coelho e argumentou que lhe foi apresentada “uma alternativa claramente inconsistente sugerida por outras forças políticas”, numa referência à proposta dos partidos de esquerda - António Costa disse que queria ser indigitado primeiro-ministro já, Bloco e PCP manifestaram apoio ao PS e explicaram que “seria uma perda de tempo” indigitar Passos. Leia na íntegra os argumentos de Cavaco Silva

  • João Soares: “Lamento a intervenção do senhor Presidente”

    Coube ao deputado socialista a reação às palavras de Cavaco Silva, que indigitou Passos. João Soares classificou como “particularmente estranho e lamentável que o Presidente da República tenha indigitado alguém que não tem condições para apresentar uma solução estável e duradoura”