Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos prepara Governo para tomar posse no fim de semana

  • 333

Luís Barra

O segredo é total. Mas o processo está em marcha. Passos e Portas esperam ser indigitados e querem formar Governo rapidamente. Objetivo: tomarem posse até domingo

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

Pedro Passos Coelho tem o Governo "na cabeça", o programa de Governo praticamente feito e mal seja indigitado (coisa que espera que aconteça até esta quinta-feira) conta apresentar rapidamente uma equipa ao Presidente da República. "A posse pode ser no fim de semana", é a expetativa nas cúpulas da coligação.

O líder do PSD disse-o à saída da reunião que teve esta terça-feira com Cavaco em Belém: "Torna-se indispensável que haja alguma celeridade no desenrolar do processo". Pela sua parte, tenciona mostrar que está apto a contribuir para que não se arraste por muitos mais dias a discussão de um programa de Governo na Assembleia da República.

Sobre nomes, o silêncio é, por enquanto, total. O próprio Passos disse ao Expresso na reta final da campanha eleitoral que tinha o Governo "razoavelmente decidido" na sua cabeça. Mas não fará convites antes de ser indigitado pelo Presidente da República.

A declaração de António Costa, esta terça-feira, depois do encontro com o Presidente da República, quando tentou travar a indigitação de Passos Coelho com a garantia de que está apto a apresentar uma solução de Governo estável à esquerda, não demoveu a coligação. No PSD e no CDS ninguém acredita que Cavaco não chame Passos e todos os sinais são no sentido de mostrarem que, por eles, a coisa será rápida.

Se, por um lado, consideram difícil convencer muitos pesos pesados para um Governo cuja durabilidade pode estar em risco, por outro acreditam que a perspetiva de um Executivo com o apoio do PCP acabará por ter um inesperado efeito mobilizador.

  • Passos pede “celeridade” a Cavaco e “responsabilidade” ao PS

    Um programa de Governo não chega. É preciso um Orçamento. Passos pede “celeridade“ ao Presidente da República e diz-se “persuadido de que o PS não deixará, no Parlamento, de assumir as suas responsabilidades”. Sem estabilidade, avisa, a recuperação económica fica em causa