Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos pede “celeridade” a Cavaco e “responsabilidade” ao PS

  • 333

Marcos Borga

Um programa de Governo não chega. É preciso um Orçamento. Passos pede “celeridade“ ao Presidente da República e diz-se “persuadido de que o PS não deixará, no Parlamento, de assumir as suas responsabilidades”. Sem estabilidade, avisa, a recuperação económica fica em causa

Certo de que Cavaco Silva o irá indigitar como primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho trabalha já na fase seguinte, ou seja, tenta garantir que terá condições para governar e desafia o PS a assumir que "é um dever de todos, dos que ganham e dos que perdem, garantir condições de governabilidade".

"É muito importante que o mandato do próximo Governo possa ser previsível e estável", afirmou Passos Coelho à saída, esta tarde, do encontro com o Presidente da República, onde considerou "indispensável que haja alguma celeridade no desenrolar do processo".

Convicto de que irá ser convidado a formar Governo, Passos deixou um aviso ao maior partido da oposição: a estabilidade do próximo mandato é indispensável "à recuperação económica e financeira do país".

"Se o próximo Governo não tiver estabilidade, haverá um adiamento do investimento e da nossa capacidade de crescer e de criar emprego", alertou, deixando muito claro que não está apenas em causa a viabilização de um programa de Governo mas também a necessária "aprovação de um Orçamento de Estado".

Foi a deixa para apelar ao "sentido de responsabilidade" do Partido Socialista: "O PS não deixará de assumir no Parlamento as suas responsabilidades como partido de grande implantação nacional", afirmou, repetindo a ideia mais do que uma vez: "Estamos persuadidos de que, no terreno parlamentar, se criem as condições para que o país consiga um clima de estabilidade e confiança".

Se isso não for possível, fica em causa "a recuperação económica e financeira do país", alertou o líder da coligação, salientando que "haverá um adiamento do investimento e da nossa capacidade de crescer, de criar emprego e de garantir a proteção adequada dos sistemas sociais".

  • António Costa quer ser indigitado já por Cavaco

    À saída do encontro com o Presidente da República, António Costa disse que julga “estarem criadas as condições por parte do PS para uma solução de estabilidade”. O líder do PS defendeu ainda ser do interesse nacional “não prolongar uma situação de indefinição e de incerteza”, deixando claro que considera que deve ser indigitado já por Cavaco Silva