Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PS não compreende comunicado de Maria Luís Albuquerque

  • 333

Tiago Miranda

Na sexta-feira à noite, em entrevista à TVI, António Costa disse que o documento apresentado pela coligação tem “omissões gravíssimas” e que o líder do PSD se comprometeu a enviar informação ao PS que, na verdade, não entregou

Helena Bento

Jornalista

Num comunicado enviado às redações, o PS afirma não compreender que Maria Luís Albuquerque se tenha referido este sábado à tarde a informações que foram transmitidas em reuniões em que ela não esteve presente.

“O PS não compreende o teor do comunicado da Dra. Maria Luís Albuquerque, já que a informação a que se refere o secretário-geral do PS foi transmitida em reuniões onde a Dra. Albuquerque não esteve presente”, refere o comunicado.

Na sexta-feira à noite, em entrevista à TVI, António Costa disse que o documento apresentado pela coligação tem “omissões gravíssimas” e que o líder do PSD se comprometeu a enviar informação ao PS que na verdade não entregou, não permitindo ao partido ficar a conhecer a real situação do país e das contas públicas.

No comunicado enviado este sábado, o PS aproveita para reiterar as afirmações do líder do PS, “não apenas quanto à sua substância, como ao facto de a mesma ter sido transmitida nas diferentes reuniões mantidas com a delegação do PSD e do CDS”.

O Partido Socialista considera que Maria Luís Albuquerque protagonizou uma “manobra de diversão” que tem como objetivo “fazer esquecer que o PSD e o CDS continuam sem responder ao pedido de informação realizado pelo PS na sexta-feira, dia 9 de outubro”.

Situação das finanças é “absolutamente transparente”

Este sábado à tarde, em resposta às acusações de António Costa, Maria Luís garantiu que a situação das finanças públicas portuguesas é “absolutamente transparente”, referindo-se a uma reunião que teve na segunda-feira com Mário Centeno, coordenador do cenário macroeconómico do PS.

Numa “nota de atualização” divulgada mais tarde pelo PSD, é especificado que não foram “suscitadas quaisquer preocupações ou informações” sobre temas como “o processo de privatização da TAP ou a investigação aprofundada sobre o Banif iniciada pela Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia”.