Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos sobre a reunião com o PS: “Não avançámos rigorosamente nada”

  • 333

Nuno Botelho

Depois da segunda reunião entre a coligação e o PS, o clima é de pré-rutura. “Esperávamos que o PS apresentasse uma contraproposta, mas isso não aconteceu. A nossa reunião acabou de forma inconclusiva. Estamos a aguardar que o PS nos faça chegar uma proposta”, explicou Passos. As caras são de poucos amigos

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

Quase duas horas e meia para nada. Ou melhor, para ficar mais um indício de que a rutura entre a coligação e o PS é cada vez mais provável. "Não avançámos rigorosamente nada", disse Pedro Passos Coelho à saída do encontro, na sede do PS. Ao seu lado, Paulo Portas. Ambos com cara de poucos amigos.

Segundo Passos Coelho, depois do PS ter exigido uma proposta da coligação como base para uma negociação, e depois desse documento ter sido entregue (ontem), os socialistas voltaram a fugir à negociação. António Costa, diz Passos, mostrou-se "insatisfeito com a proposta que a coligação apresentou ao PS", mas não avançou com qualquer contraproposta.

"A reunião terminou de forma absolutamente inconclusiva", lamentou o líder do PSD. Não serviu, sequer, para ficar agendado outro encontro. Isso só acontecerá se, e quando, o PS apresentar um documento com as suas prioridades para viabilizar um novo governo liderado por Passos Coelho.

Em clima de pré-rutura, o líder da coligação Portugal à Frente sublinhou que é "decisivo" saber "se há ou não há vontade política para chegar a um entendimento". "Gostaria de saber exatamente o que nos é pedido", insistiu, frisando que "todos ganhamos em que possamos agora ser céleres".

Passos lembra que quem ganhou não foi o PS

Passos lembrou que "quem ganhou as eleições não foi o PS, mas a coligação". Mais: "o programa sancionado nas eleições foi o da coligação".

Por essa razão, questionado sobre o que espera de Cavaco Silva, deixou claro que não antevê outro cenário que não a sua chamada para formar Governo. "Nenhum português se espantaria se isso acontecesse. (...) A expetativa legítima do PSD e do CDS é que sejam chamados a formar governo".

Portas: “leitura de senso comum”

Paulo Portas disse, por seu lado, que a direita faz uma "leitura de senso comum do resultado das eleições": quem venceu com maioria relativa deve mostrar abertura a compromissos; quem não ganhou deve ter a mesma atitude.

O presidente do CDS chamou ainda a atenção para os riscos da incerteza para a economia. A negociação proposta pela coligação ao PS, diz Portas, permitiria assegurar a "estabilidade política" e "credibilidade externa", manter as "condições de recuperação da economia", não pôr em causa "a pertença ao euro" e viver num clima de "política de compromisso".