Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

No tempo em que os comícios de Sócrates tinham sabor a caril

  • 333

Indianos, paquistaneses e até moçambicanos ajudaram a encher o comício de Évora da campanha de Sócrates em 2011. O caso tornou-se num embaraço para o Partido Socialista

Foto Correio da Manhã

Não é novidade que em campanha eleitoral os partidos tentem sempre encher a sala. Mas o PS de Sócrates exagerou. Em Évora, na corrida de 2011, os turbantes que compunham a plateia deram nas vistas. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o 11º capítulo

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor da SIC

Atrás do palco, montado na praça do Giraldo, era um corrupio. Todos queriam agarrar os pequenos sacos de plástico com um lanche que estavam a ser distribuídos. “Porque é que veio?”, pergunta um jornalista. “Não 'ter' documentos”, responde, num português mal-amanhado, um dos imigrantes que, naquele dia, além da refeição grátis - e muitos deles confessaram que não tinham o que comer – recebera também uma t-shirt do PS com a irónica inscrição - slogan da campanha - “Defender Portugal.”

Vinham de Lisboa, de Corroios, de Odivelas. Uns da construção civil, outros das lojas do Martim Moniz. Indianos, paquistaneses, chineses (e até moçambicanos que confessaram ter sido “convidados pela embaixada”) “contratados” para agitar bandeiras e perseguir a caravana socialista nos autocarros do partido. Além de Évora, há relatos da sua passagem por Beja e Coimbra. Sem papéis, e por isso sem direito de voto, à procura dos tão sonhados documentos da legalização.

Naquela tarde de 22 de maio de 2011, não se falou de outra coisa. As televisões emitiam em direto longas reportagens sobre o que se estava a passar. A presença dos imigrantes sobrepunha-se à mensagem política que Sócrates queria passar no comício. Numa das muitas entrevistas que se fizeram aos homens dos turbantes, ficou tudo dito: “Sócrates é muito boa pessoa, tratou de dar nacionalidade, tratou de tudo” (jornal “i”).

A direção socialista, claramente atrapalhada com a situação, garantia que os imigrantes “não eram pagos” e que faziam parte da “estrutura voluntária da campanha.” Até Francisco Assis, o então líder da bancada parlamentar socialista, teve de arranjar uma desculpa. No fórum da TSF explicou assim o sucedido: “Eu conheço a secção da Almirante Reis e sei que esses cidadãos têm uma importante atividade política lá”, justificando desta forma a presença indiana e paquistanesa no comício.

Paulo Portas não demorou a fazer de Évora uma oportunidade de campanha: “Não é preciso trazer gente de fora, nem em transporte coletivo organizado pelo partido. A gente está aqui porque quer e porque está a pensar seriamente votar CDS”, dizia em Ponte Lima. Nas redes sociais, o caso fervilhava. António Nogueira Leite, na altura conselheiro económico do PSD, escrevia que o apoio em troca de refeições era um exemplo do Estado Social que Sócrates defendia.

A campanha de 2011 não correu bem aos socialistas. À medida que as eleições se aproximavam, a prestação suada de Sócrates tornava-o evidente. O caso do comício de Évora foi apenas mais um. Mas que diz muito sobre aqueles anos.

  • Os nossos tesourinhos das campanhas

    Beijos em anões, mergulhos no Tejo, gafes, debates épicos, bolos-reis comidos à pressa, mais gafes, frases memoráveis, momentos embaraçosos e outros gloriosos. E, claro, muita política. Varremos tudo de forma pouco científica e puxámos pela memória de 40 anos de democracia. Durante o mês que antecedeu as legislativas, revisitámos diariamente as campanhas de outrora. Juntamos o resultado num único artigo

  • Sabe onde foi o segundo mergulho de Marcelo? Não, não foi no Tejo

    Um dia destes vamos escrever sobre o célebre mergulho de Marcelo, o do Tejo na campanha eleitoral de 1989. Agora lembramos outro, menos conhecido, mas testemunhado pelo Expresso quando Marcelo era líder do PSD. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o décimo capítulo

  • Quando Soares chocou com uma “alfaiataria” das novas

    Mário Soares, candidato presidencial em 2006. O povo na rua já não vibra com o bochechas e o animal político sente na pele que a idade conta. Em Viseu, foi uma loja a trai-lo. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o nono capítulo

  • Quando a lota matou o candidato

    Nove de junho de 2004: a três dias do início do Euro de futebol e a quatro das eleições europeias, a trágica morte em plena campanha de Sousa Franco, cabeça de lista do PS, chocou o país. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o oitavo capítulo

  • Quando Soares confundiu o CDS com o PP e Ribeiro e Castro com o PS

    A última campanha presidencial de Mário Soares foi uma prova para o candidato, mas também para os jornalistas. Houve momentos de grande confusão e este foi seguramente o mais confuso de todos. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o sétimo capítulo

  • Quando Sampaio defendeu a honra de Cavaco e calou um apoiante

    Jorge Sampaio nunca foi o político habitual, muito menos em campanha no terreno. Às vezes desconcertava os seus próprios apoiantes, como na vez em que deu um raspanete público a um apoiante que resolveu chamar “ladrão” a Cavaco Silva, seu opositor nessas presidenciais. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o sexto capítulo

  • Como Guterres mudou os debates para sempre e as arrobas chegaram ao estrelato

    António Guterres é provavelmente o político mais dotado em televisão que vimos em muitos anos. Ao pé dele, mesmo Paulo Portas ou Francisco Louçã eram “apenas” bons. Guterres tinha tanta confiança nos debates parlamentares e televisivos que mudou as suas regras para sempre. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o quinto capítulo

  • O PIB de Guterres contado na primeira pessoa

    A política portuguesa está cheia de gaffes, mas esta é a mais célebre de todas. Tão célebre que, na verdade, nem sequer é uma gaffe e ficou assim cunhada para a história. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o quarto capítulo, contado por Ricardo Costa - que fez a famosa pergunta a Guterres

  • O carnaval de Santana

    Uma campanha que parou ao segundo dia e uma inesperada visita a São Bento, com Santana a oferecer chás e cafés. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o terceiro capítulo

  • E Soares beijou o anão…

    Depois de o Expresso ter publicado em três etapas a retrospetiva dos melhores debates televisivos em Portugal, agora prossegue com uma nova série: histórias de campanha. A um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o segundo capítulo

  • “Consigo ainda dava uma cambalhota!”

    Depois de o Expresso ter publicado em três etapas a retrospetiva dos melhores debates televisivos em Portugal, agora arranca com uma nova série: histórias de campanha. A um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 1)

    Soares vs Cunhal, cigarros e mais cigarros, Soares contra Zenha, Freitas e Soares numa eleição épica e, claro, o célebre dia em que Marcelo, o rei da comunicação, perdeu o pio frente a Sampaio e lhe entregou a Câmara de Lisboa numa bandeja. Os nossos debates televisivos têm muito que contar. Por isso, puxámos da nossa memória seletiva e contamos tudo. Primeira etapa de uma viagem que continua nos próximos dias

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 2)

    Nesta etapa há de tudo: do violento Basílio vs. Soares de 1991 ao debate que Jerónimo venceu por estar... afónico. Pelo meio, temos o importante Guterres/Nogueira, a vez em que o primeiro-ministro Guterres quis fazer debates sucessivos contra todos e o único confronto entre os irmãos Paulo e Miguel Portas. Quase no fim, a inequecível noite em que Santana e Sócrates se enfrentaram. Segunda etapa de uma viagem que terá ainda um terceiro e último capítulo

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 3)

    Lembra-se de quando Carrilho deixou Carmona de mão estendida? E da noite em que Soares e Alegre se enfrentaram num estúdio televisivo? Neste artigo lembramos esses debates, mais o Cavaco/Alegre e dois dos melhores dos últimos anos: Sócrates contra Louçã em 2009 e o Passos vs. Sócrates em 2011. Terceira e última etapa da nossa viagem aos melhores debates televisvos em Portugal